O que fazer em Winchester: da távola redonda a Jane Austen

Neste post do site Viajonarios você encontrará diversas informações sobre cultura, passeio, atrações e alimentação em Winchester – cidade onde Jane Austen faleceu e está sepultada na magnífica Catedral de Winchester.

winchester.png
Fonte: Site Viajários

Descanse em paz Jane Austen

Jane Austen faleceu às 4h30 de 16 de julho e foi sepultada na Catedral de Winchester. Hoje fazem 195 anos que nossa querida escritora passou a deixar saudades de todos que a conheciam. 

Jane foi sepultada na Catedral de Winchester, Inglaterra. Ela descansa sob uma lage de granito negro, como vocês podem observar abaixo:



Sua irmã, Cassandra, escreveu uma carta para Fanny (Miss Knight, sobrinho de Austen) – abaixo um pequeno trecho da carta, a carta completa você encontra em Republic of Pemberley:

“I have lost a treasure, such a Sister, such a friend as never can have been surpassed,- She was the sun of my life, the gilder of every pleasure, the soother of every sorrow, I had not a thought concealed from her, & it is as if I had lost a part of myself…”
“Perdi um tesouro, uma irmã, uma amiga assim nunca deveria ter nos deixado. Ela foi o sol da minha vida, abrilhantava todos os prazeres, era o consolo para todo tipo de sofrimento, não sei se conseguirei viver sem ela, é como se tivesse perdido uma parte de mim…”

Mais tarde foi colocada uma placa de bronze, na parede ao lado onde Jane foi sepultada.


 

Em memória de Jane Austen

Em 18 de julho de 1817, Jane Austen morre em plena produção intelectual.

Sua irmã, Cassandra, escreveu uma carta para Fanny (Miss Knight, sobrinho de Austen) – abaixo um pequeno trecho da carta, a carta completa você encontra em Republic of Pemberley:

“I have lost a treasure, such a Sister, such a friend as never can have been surpassed,- She was the sun of my life, the gilder of every pleasure, the soother of every sorrow, I had not a thought concealed from her, & it is as if I had lost a part of myself…”
“Perdi um tesouro, uma irmã, uma amiga assim nunca deveria ter nos deixado. Ela foi o sol da minha vida, abrilhantava todos os prazeres, era o consolo para todo tipo de sofrimento, não sei se conseguirei viver sem ela, é como se tivesse perdido uma parte de mim…”

A placa acima foi colocada pelo sobrinho de Austen,  James Edward Austen-Leigh, em 1870 e diz o seguinte:
Jane Austen 

… Known to many by her writings,
endeared to her family
by the varied charms of her characters
and ennobled by her Christian faith and piety
was born at Steventon in the County of Hants.
December 16 1775
and buried in the Cathedral
July 18 1817.
“She openeth her mouth with wisdom
and in her tongue is the law of kindness.”

As cartas de Austen foram compiladas em um livro, por Deidre Le Faye, clique aqui para comprá-lo (R$ 58,00 na Livraria Cultura).

Letters, ed. by Deidre Le Faye [3rd ed, 1997], From Cassandra to Fanny Knight, 20 July 1817, p. 343;
Leia mais sobre o assunto no post da amiga Deb do Jane Austen in Vermont.
As imagens acima fazem parte da viagem de meu amigo Alfred à Inglaterra. Leia os posts aqui e aqui. Para ler os posts a respeito relacionados a Winchester, clique aqui.

Walking in her bedroom, standing on her grave

This post was written my dear friend Alfred Kaal from Netherlands (we did a Jane Austen Course at Oxford last january). Thanks a lot Alfred! Tomorrow I will translate it and publish the news pictures he sent me.
Last year I went to Bath, and visited the Jane Austen Centre, saw the house where she lived, and walked past the famous sites she must have seen too. After taking the Oxford University course on Jane Austen, and rereading her books and moreover, learning about her writing style, and taking in lots of background information, what must one do when returning to England? Right, visit other places where Jane Austen has been. During my first week in England I stayed in Oxford, and from there it is easy to drive to Chawton and Winchester. At Chawton she wrote Mansfield Park, Emma and Persuasion. And in Winchester, she died at the age of 41.

Chawton is a small village near Alton, in Hampshire. It is close to a highway, but after parking the car, I noticed how calm and peaceful the place was. A couple of houses, a restaurant on the opposite side of the street. And then the cottage of Jane Austen. It is a museum nowadays, but it looks like a house where one could live in comfortably. On the inside, it looks both like a house and a museum. In some rooms, you could (almost) imagine Jane Austen walking in, and doing the things she is used to do. In other rooms, it feels more like a museum. When you observe the behaviour of the people working and visiting there, they behave like it’s a house. It’s treated with respect. Everything looks neat and cared after. The staff seems very devoted in keeping the memory of Jane Austen alive. And that’s why I liked it there. It’s not like Stonehenge with busloads of visitors, Buckingham Palace or Windsor. It’s a house where a very good writer lived. The guestbook says it all: people from all over the world come to Chawton. They are not ordinary visitors. They are people who enjoy the books of Jane Austen, the movies, the dancing and perhaps might want to live in her era. And some go as far as taking a course on Jane Austen at Oxford University 😉
Next stop was Winchester. A lively town, packed with shops. And a cathedral. Because Jane Austen died in Winchester, she was to be buried there. Not because she was famous, most people didn’t know she wrote a couple of well-known books. Just because she died in Winchester, her grave is now in the cathedral. The text on the grave stone memorises her not as the writer she was. That was later corrected in a brass plague on the wall close to her grave. An exhibition on Jane Austen was on display. Most of it was familiar, but it was interesting to see the book where her death was noted, albeit the wrong date was written down: July 16 instead of 18! One can only wonder how that mistake could be made. It wasn’t certainly a mistake to visit the cathedral, and I’m glad I was there.

Viagem à Inglaterra – Parte 1

– Meu amigo Alfred Kaal, da Holanda, está na Inglaterra de férias com a família e me enviou lindas fotos de Chawton House e da Catedral de Winchester! Alfred faz parte do Jane Austen in Netherlands. Nós nos conhecemos em janeiro deste ano no curso sobre Jane Austen da Universidade de Oxford (conte-lhes maiores detalhes em outro post) e acabamos ficando amigos. Era para eu encontrar Alfred e sua família na segunda quinzena de agosto, pois eu também faria uma viagem à Inglaterra. Porém, por obrigações acadêmicas e profissionais eu tive que permanecer no Brasil. Acho uma pena, pois o verão na Inglaterra está uma maravilha!
Bem, vamos ao que interessa! As fotos abaixo são de Chawton House, casa onde Jane Autsen morou.
Frente da casa
Entrada do museu
Jardim
Cozinha
Mais fotos do museu, visite o site da PBS ou o site do Chawton Museum, com tour virtual e lojinha também virtual. Visite também o blog do museu, clique aqui ou a página no facebook. Veja também um post que fiz sobre o museu em janeiro deste ano.
Abaixo, as fotos da Catedral de Winchester, onde Jane Austen foi sepultada.  Observem que ao ser enterrada na catedral, sobre o granito preto há algumas palavras sobre Jane Austen,  foi reconhecida por ser filha do Reverendo George Austen e não por ser autora dos grandes livros que escreveu.
Túmulo de Jane Austen
Já no memorial dedicado à escritora, enfatizaram seu trabalho como escritora. Para maiores detalhes e fotos sobre o túmulo de Jane visite o site Find a Grave.

Artefatos raros em Winchester

Artefatos raros da vida de Jane Austen, incluindo poemas escritos à mão e as primeiras edições de seus livros, estão em exposição em Winchester.

A Catedral de Winchester, onde a escritora está sepultada, começou um a exposição que vai até dia 20 de setembro. Sendo o primeiro de uma série de eventos em comemoração do bicentenário da morte de Jane Austen em 2017.
A exibição, ao lado de sua sepultura, mostra poemas escritos por Jane Austen sobre sua amiga Mrs Lefroy, as primeiras edições de Emma em três volumes de 1816, além de Northanger Abbey e Persuasion publicados juntos em 1818. Está também na exposição a nota escrita à mão pelo irmão de Austen, Henry, com as orientações sobre a inscrição que se encontra hoje no túmulo de Jane Austen.
Os poemas e a nota escrita por Henry pertencem à Winchester College. Esses artefatos nunca sairam da faculdade desde que foram doados à instituição na década de 30.

Biógrafos de Jane Austen seguem com dúvidas

A notícia já tinha saído Jornal de Guardian e hoje foi traduzida pelo Jornal Estadão:

Novos dados levam a crer que a autora de Orgulho e Preconceito tenha morrido com um linfoma, e não de problemas renais decorrentes do Mal de Addison
Em suas tramas sedutoramente cômicas, Jane Austen costumava ridicularizar os personagens que viviam preocupados com sua saúde. Portanto, a romancista ficaria perplexa – mas talvez achasse divertido – ao descobrir que, quase 200 anos após a sua morte, a natureza exata da misteriosa doença que a acometeu no final acabou se tornando objeto de uma fascinação literária permanente.Uma recente análise dos sintomas que ela apresentou, divulgada neste início de dezembro, sugeriu que a autora de Orgulho e Preconceito pode ter morrido prematuramente de tuberculose transmitida pelo gado. O que se afirma é que um exame da correspondência e das lembranças da sua família provam que ela não foi, como supunham médicos especialistas, vítima do mal de Addison (atrofia da glândula supre-renal). A vida privada de Jane Austen ainda intriga seus leitores modernos, enquanto médicos e biógrafos há mais de 40 anos discutem a causa precisa da sua morte, em 1817. Escrevendo na revista inglesa Medical Humanities, Katherine White, do grupo de autoajuda de doentes que sofrem do mal de Addison, ofereceu algumas evidências com o fim de liquidar com uma das mais amplamente aceitas teorias médicas sobre a morte de Jane Austen. “Jane Austen morreu aos 41 anos, deixando seu sétimo romance, Sanditon, inacabado”, diz ela. “Embora Jane tenha sobrevivido a muitos dos seus pares na Inglaterra no período da Regência (quatro das suas cunhadas morreram por causa de complicações pós-parto), a causa da morte de Jane continua aberta a especulações póstumas.”Na sua juventude e em grande parte da vida adulta, Jane Austen tinha uma constituição relativamente robusta. Ainda adolescente, escreveu seu primeiro romance cômico, satírico, Love and Friendship (Amor e Amizade), em que os protagonistas zombam constantemente da sua compassiva debilidade emocional. Em maio de 1817, Jane foi para Winchester, Hampshire, sul da Inglaterra, em busca de auxilio médico, mas morreu na cidade dois meses depois. Como lembra um dos muitos websites literários dedicados à sua vida e obra, “Jane Austen morreu na madrugada de sexta-feira de 18 de julho de 1817, a cabeça recostada num travesseiro no regaço de Cassandra; sua irmã manteve-se de vigília ao seu lado durante toda a noite.”Katherine White escreve que “em 1964, o médico Sir Zachary Cope propôs que o mal de Addison tuberculoso poderia explicar sua deterioração, que a deixava prostrada no leito, o seu tom da pele insólito, seus ataques de bílis, as dores reumáticas e a ausência de sinais mais específicos da doença”. Por outro lado, em 1997, Claire Tomalin, que faz parte do grupo mais recente de biógrafos de Jane Austen, sugeriu que um linfoma se ajustaria mais aos sintomas reportados da romancista. Katherine White concorda que o diagnóstico do médico Zachary Cope pode estar correto mas observa que “muitas pessoas que sofrem do mal de Addison costumam ficar mentalmente confusas, sentem dores generalizadas, perdem peso e apetite. Nenhum desses sintomas aparecem nas cartas de Jane Austen”. Tradução de Terezinha Martino

A catedral de Winchester

Por indicação da Karlinha (leitora deste blog), indico um post do blog do Noblat! O artigo enviado por Maria Helena Rubinato Rodrigues de Sousa fala sobre uma das mais belas catedrais do mundo: A Catedral de Winchester! Tão bela quanto o Duomo de Milão!

Observe a imponência dessas colunas! Desejo muito um dia poder conhecer a Inglaterra!

Segundo o blog do Noblat: A Catedral de Winchester tem suas origens no século VII, quando no mesmo local, já havia uma igreja cristã. Desde então desempenha papel fundamental na vida desta antiga cidade e na História da Grã-Bretanha.

Jane Austen, a querida escritora inglesa do século 18, que tanto entendia o coração das mulheres de seu tempo, está enterrada dentro da catedral.

Leia o artigo completo aqui no Blog do Noblat.