Lançamento: A Abadia de Northanger da Editora LaFonte

Outro lançamento da Editora LaFonte em 2017 foi A Abadia de Northanger, com tradução de Ciro Mioranza. O livro mede 23 x 16 cm. E está à venda na Livraria Saraiva por 29,90 reais. Confira aqui os lançamentos Orgulho e Preconceito e Razão e Sensibilidade também dessa editora.

abadia

Resumo da editora:

A Abadia de Northanger foi o primeiro romance escrito por Jane Austen, apesar de ter sido publicado um ano após sua morte. Talvez pelo fato de ser a autora ainda muito jovem, sua protagonista, Catherine Morland, é a mais ingênua das heroínas de Austen. Nem por isso menos interessante. E o livro, um pouco mais leve que seus demais sucessos, surpreende com muitas passagens cômicas, mas já traz os ingredientes que fizeram de Austen uma das autoras mais lidas de todos os tempos: é repleto de confusões amorosas pontuadas por críticas acidas a sociedade da época. Leitura envolvente da primeira a última página.

Anúncios

Orguho e Paixão – fotos de divulgação

O Jornal o Globo divulgou novas fotos da próxima novela das 18:00 horas ‘Orgulho e Paixão’ baseada em quatro romances de Jane Austen: Orgulho e Preconceito, Abadia de Northanger, Emma, Razão e Sensibilidade.

Natália Dill já me encantou nessas duas fotos! Que sua Elizabeta (Elizabeth Bennet) seja ‘obstinate headstrong girl’!

24051210
Natália Dill como Elizabeta. Foto: Raquel Cunha / Globo

24051211

Foto: Raquel Cunha / Globo

De um lado, uma jovem camponesa que precisa aprender a se entregar à paixão. Do outro, um aristocrata que precisa vencer o orgulho e acreditar que o amor pode superar as diferenças sociais. Orgulho e Paixão, nova novela das seis da Globo, é baseada não em um, mas em quatro livros da escritora inglesa Jane Austen.

Com previsão de estreia em março deste ano, a novela escrita e dirigida por Marcos Bernstein traz os atores Nathalia Dill e Thiago Lacerda como os personagens Elisabeta e Darcy, casal protagonista da trama que se passa no início do século 20.

Mas ela é uma jovem com desejos de liberdade e não de casamento — comportamento que bate de frente com os planos de sua mãe, intepretada pela atriz Vera Holtz.

Fonte: DC

Vejas fotos de outros personagens:

24051215
A matriarca vivida por Vera Holtz vai fazer de tudo para ver as filhas bem-casadas. Foto: João Miguel Júnior / Globo
24051216
O ricaço Darcy, vivido pelo ator Thiago Lacerda, não esperava se encantar por uma camponesa. Foto: João Miguel Júnior / Globo
24051219
Gabriela Duarte integra elenco da novela. Foto: Mauricio Fidalgo / Globo
24051224
Vera Holtz e Tato Gabus Mendes contracenam como pais das cinco irmãs. Foto: João Miguel Júnior / Globo
24051212
Chandelly Braz vive Mariana, irmã de Elisabeta. Foto: João Miguel Júnior / Globo

 

 

 

 

 

 

Mr. Tilney, o queridinho!

Uma publicação do site EW chamou a minha atenção: não estavam enaltecendo o Mr. Darcy! Pensei, que genial! Com o título : “Henry Tilney de Northanger Abbey é o melhor homem líder de Jane Austen”, Maureen Leen Lenker enumera as características desse personagem de Austen como sendo um homem com grande liderança!

tilney
Mr. Tilney, interpretado por J J Feild (2007)

Vejamos um trecho:

(…) Fitzwilliam Darcy reinou como líder mais desejável, um fato amplamente assistido por Colin Firth e seu retrato do herói da era de a Regência como um arrasa corações que mergulha no lago e usa uma camisa molhada.

Mas estou aqui para lhe dizer que o lago cinematográfico está de lado, você está enganada. O Sr. Darcy não é o melhor herói de Austen. Um de seus personagens menos conhecidos : Sr. Henry Tilney, o liberalista clérigo de Northanger Abbey .

 

Para ler o artigo completo, em inglês, clique aqui. Para uma versão traduzido à jato por um tradutor digital, clique aqui.

“Quase tudo o que pensamos saber sobre Jane Austen está errado”

secret

O artigo publicado no site BookSeller “Quase tudo o que pensamos saber sobre Jane Austen está errado” é uma declaração de Helena Kelly, autora do livro Jane Austen, The Secret Radical, um livro que será publicado no ano que vem.

A autora – professora da Universidade de Oxford – argumenta que nos acostumamos a uma Jane falsa. Depois de 200 anos de biografias, estudos literários, filmes e adaptações de TV, canecas e toalhas de chá, Austen está agora tão enraizada em nossa consciência cultural que nos desviamos muito dos próprios romances. A própria Kelly foi vítima disso: “Quando eu estava lecionando Austen, muitas vezes eu tinha que voltar ao texto para verificar se o que eu estava lembrando estava realmente lá”. 

Kelly afirma ter sido ‘fisgada’ pela adaptação de Orgulho e Preconceito de 1995, com Colin Firth. Ela e a irmã assistiram a fita de vídeo até estragar. A autora diz que: “(…) eu acho que o que realmente me atraiu foi o modo como as adaptações colocaram em primeiro plano a experiência das mulheres e, especialmente, de uma família de irmãs adolescentes, com essa mistura de afeto e desejo de estrangularem-se. Você não percebe que muitas vezes. “

Por outro lado, Mansfield Park, que ela estudou durante as séries iniciais, foi uma decepção. “Eu achei muito difícil (…)”. Kelly não retomou Austen até seu mestrado no King’s College, em Londres, e, em seguida,   em seu doutorado em Oxford. Antes disso, um curto período na faculdade de direito a convenceu de que uma carreira como advogada não era para ela, entretanto, a experiência de estudar direito lhe deu uma abordagem mais forense aos romances de Austen.“Eu me aproximei deles de modo bem diferente de antes e comecei a notar coisas diferentes”, diz Kelly.

E, de fato, como mostra a Kelly, Emma está repleta de referências. Lembra daquelas crianças ciganas desagradáveis que tentam roubar Harriet Smith? Estão implorando pela estrada porque foram cercados fora de seu acampamento habitual.” Esse ponto de vista sobre Emma permitiu Kelly voltar a estudos os outros romances de Austen. “É tudo sobre confiar no autor. Se você olhar para os textos a sério, então você precisa confiar que o autor quer dizer o que está escrevendo. Austen não faz comentários descartáveis. Se algo está lá, é porque você está destinado a ler e capturar a ideia da autora”.

Em Jane Austen, The Secret Radical, Kelly argumenta que Sense & Sensibility estabelece indignação nua de Austen a respeito da primogenitura, e as mulheres daquela época foram, muitas vezes, deixadas em uma situação de incapacidade financeira por seus parentes do sexo masculino. Mansfield Park é um “romance fanático”, com profundas preocupações acerca da abolição da escravatura, marcada obviamente pelo seu título (Lord Mansfield foi um dos abolicionistas mais proeminentes no final do século 18). Northanger Abbey, traz um teor mais sexual, lança um olhar sobre os perigos do parto, bem como as consequências de não ler livros com atenção suficiente. Persuasão, último romance completo de Austen, é uma meditação agridoce sobre o caos inerente de nossas vidas em um mundo caracterizado pela instabilidade e mudança constante.

Para ler o artigo completo, clique aqui

Dados do livro: 

Editora: Icon Books
ISBNs: 9781785781162/81179
Editor: Duncan Heath

Jane Austen games

Matchmaker screenshot. Fonte: Jane Austen’s Games.

Achei um site sobre jogos ambientados no mundo de Jane Austen. Existem lá dois jogos, Matchmaker, um jogo de estratégia, e Solitaire, um jogo de cartas. Eles também anunciam Jane Austen’s party, um jogo sobre as festas na época de Jane Austen.

Banner Solitaire. Fonte: Jane Austen’s Games.

Muito legal. Eu já havia observado que não existem muitos jogos ambientados ou inspirados por Jane Austen e sua obra. Sendo fã de Tolkien e ciente da quantidade de RPG que existem sobre a Terra-média, considerava uma falta com Jane Austen. Agora parece que estão suprindo essa ausência.
Também achei no Jane Austen Reviews algumas palavras cruzadas, de Razão e Sensibilidade e Abadia de Northanger. Bem fáceis e divertidas.

Abadia de Northanger e Persuasão no Teatro!

Acabo de saber de uma novidade: Abadia de Northanger e Persuasão serão apresentados no Teatro Mago Hunt Center da Universidade de Portland, Estados Unidos.

Persuasão foi adaptado por Connor Keens e as apresentações acontecerão entre os dias: 26 a 29 de junho, 3 / 5 / 9 / 12/ 17 e 18 de julho.

A Abadia de Northanger, também adapatdo por Connor Keens, terá apresentações nos dias: 1, 2, 4, 10, 11 e 19 de julho.

Os tickets custam entre 20 a 18 dólares.
Para maiores informações clique aqui.

Northanger Abbey – Edição de luxo

Descobri uma edição de Northanger Abbey que Leino Dorme comprou pertinho do trabalho. Vejam como é linda! Eu só consegui mais informações sobre este livro no site da Amazon, está à venda lá!

Refletindo sobre musselinas

Texto originalmente publicado no Blog Sapatinhos Vermelhos, autoria de Nikellen Witter.

“Sua obsessão, agora, era escolher o vestido e o penteado para a grande ocasião. Não se tratava de um escrúpulo inocente. O zelo em relação ao traje é por vezes sinal de frivolidade, e a dedicação excessiva frequentemente aniquila as melhores intenções. Catherine sabia tudo isso muito bem; pouco tempo antes, no Natal, sua tia-avó a recriminara neste tema. No entanto, ela permaneceu acordada na cama por dez minutos naquela noite de quarta-feira, tentando decidir se seria melhor usar musselina estampada ou bordada, e somente a escassez de tempo impediu-a de comprar um vestido novo para o baile. Ela incorria num erro comum de julgamento, grave porém comum, do qual poderia ser prevenida por alguém do sexo oposto (mais do que por uma mulher) ou por um irmão (mais do que por uma tia-avó), pois apenas um homem pode ter ideia de como o homem é insensível diante de um vestido novo. Muitas damas cairiam em grande mortificação se chegassem a entender o quão pouco o coração de um homem é afetado por peças dispendiosas ou novas nas vestes femininas; o quão pouco é influenciado pela textura de uma musselina, e como é impassível e incapaz de fazer distinção entre tecidos finos ou de algodão, estampados ou bordados. A mulher se veste bem para satisfazer apenas a si mesma. Nenhum homem terá mais admiração por ela, nenhuma mulher lhe dedicará mais apreço. O asseio e a elegância bastam ao primeiro, e um aspecto andrajoso ou inadequado será bastante apreciado pela segunda. Mas nenhuma destas sérias reflexões transtornou a alma de Catherine.”

Jane Austen, A abadia de Northanger. L&PM, 2011, p. 81.

O extraordinário de ler Jane Austen é constatar a agudeza e a atualidade de sua descrição do ridículo de cada criatura. Acabo imaginando-a como uma profunda estudiosa e, por isso, conhecedora da alma humana. Porém, neste caso, seria preciso acreditar que o humano possui um substrato que lhe é inerente, mesmo que metamorfoseado em função das raízes culturais. Seria acreditar que, no fundo, somos variações do mesmo e patético serzinho. Tal reflexão, no entanto, caberia mais a um filósofo que a uma profissional da História (ou das histórias). Creio que minha conclusão, ao fim, não seria melhor. Talvez, fosse ainda mais desencantada. Pois, se não somos todos iguais em nosso fundamento, então, a verdade, é que, em algumas áreas, mudamos (a não ser nos modelos do guarda-roupas) bem pouco, nos duzentos anos que nos separam da inglesinha.

As ilustrações de Cecil Doughty

Hoje descobri meio que por acaso algumas ilustrações baseadas nos livros de Austen. O artista é o Cecil Doughty e suas ilustrações fazem parte da Revista Look and Learn, que ilustraram um guia para autores e seus livros: Quando Jane Austen veio para o chá (When Jane Austen came to tea). As imagens abaixo foram publicadas em 3 de outubro de 1964.
Vejam que bela ilustração de Fanny Price e Edmund Bertran (ao fundo)!
Ilustração de Marianne Dashwood e John Willoughby do livro Razão e Sensibilidade.
Ilustração da cena onde Emma está desenhando e sendo observada por Mr. Elton.

Catherine Morland e Mr. Tilney

Apesar de não levar o nome de Cecil Doughty, a ilustração faz parte da mesma publicação da revista, inclusive está na mesma página.

Curiosamente a revista não faz menção à Persuasão! É uma pena… as ilustrações de Cecil são muito bonitas! Fiquei curiosa para ver uma imagem de Anne Elliot e o Capitão Wentworth!

Conheça um pouco do trabalho de Cecil aqui.

A Educação em Northanger Abbey

Minha querida amiga Renata Colasante é orientadora de Sabrina Maria Alves da Silva no trabalho investigativo a respeito da educação em A Abadia de Northanger. O trabalho será apresentado durante a 9a Mostra Acadêmica da UNIMEP.
%d bloggers like this: