Lançamento: Cartas de Jane Austen

cartas

A Editora Martin Claret confirmou mais um lançamento de tradução de Jane Austen. Desta vez, será uma edição uma coletânea de cartas escritas pela escritora em uma edição de luxo com acabamento especial.

A previsão de lançamento é para o segundo semestre. Os textos são traduzidos pela minha amiga Renata Cristina Colasante, doutoranda em Estudos Literários em Inglês pela Universidade de São Paulo (USP).

As cartas escritas por Jane eram destinadas à familiares e amigos. Segundo especialistas, a escritora enviou mais de três mil correspondências, porém grande parte foram queimadas por sua irmã para preservar a intimidade da família. Apenas 150 sobreviveram à queima de arquivos.

JASBRA marcando presença em Chawton House Library

Em outubro passado tive o prazer de conhecer pessoalmente Mary Guyatt (Jane Austen´s House Museum) e Gillian Dow (Chawton House Library) para realizar a doação oficial dos primeiros livros em língua portuguesa que hoje fazem parte do acervo da Chawton House Library.

Em conversa por e-mail Gillian, descobri que não haviam ainda exemplares de edições em língua portuguesa na biblioteca da mansão que pertenceu ao irmão de Jane Austen. Sendo assim, como tradutora de alguns livros e presidente da JASBRA há 7 anos desde a fundação, decidi oferecer a coleção de seis livros e as duas edições especiais publicadas pela Editora Martin Claret.

Particularmente, estou muito feliz com essa doação porque Gillian me disse que faz pesquisas sobre traduções de Jane Austen em outras línguas e que não havia um exemplar sequer em língua portuguesa. Então, agora estamos representados pelas tradução do Roberto Leal, Alda Porto e minha (Adriana Sales Zardini)

15666272_10154106696328344_1184837533_n
Momento da entrega dos livros em português para Gillian Dow (Chawton House Library)
edicoes-brasileiras-em-chawton
Divulgação feita pela Chawton House Library na página no Facebook, agradecendo a doação feita pela JASBRA.

Jack e Alice – Edição Ilustrada em Português!!

Prezados leitores,

hoje mais cedo recebi uma ótima notícia da Editora Martins Fontes! O lançamento de Jack e Alice em português, numa edição lindamente ilustrada!

 

Tradução de: Christine Rohrig
Ilustração de: Andrea Joseph

A leitora Naiara Aimée me enviou algumas imagens das páginas ilustradas:

Vejam os detalhes abaixo:

Título :Jack & Alice
Autor : Austen, Jane
Editora: Martins Fontes – selo Martins 

1º a edição
76 páginas
2014
R$ 24.90

Sinopse: 
Jack and Alice é um pequeno romance que foi escrito pela grande autora inglesa Jane Austen, quando ela tinha apenas 15 anos de idade. De leitura veloz, o texto jovem mostra que a irreverência e a ironia acompanhavam Austen desde cedo, e seguiram como marcas registradas de suas obras maduras, verdadeiras obras-primas que ainda hoje são pesquisadas, estudadas, adaptadas e incansavelmente lidas.
Em Pammydiddle, um baile de máscaras rendeu comentários. A sociedade da região, principalmente a sociedade feminina, não pôde deixar de lado a presença singular de Charles Adams. Entre uma taça de vinho e outra, a história de Alice é contada a partir de suas conversas e confissões com Lady Williams, e o leitor poderá entrar nesse salão de visitas para conhecer mais alguns dos personagens peculiares de Austen. 

Onde comprar:

Livraria da Travessa
Martins Fontes
Livraria Cultura

Sorteio Bicentenário de Mansfield Park!

Prezados leitores, em 2012 tive o prazer de trabalhar com a Editora Martin Claret e ajudar a escolher cores de capas e escrever todos os resumos das contracapas, além, é claro, de traduzir Emma.
Para comemorar o Bicentenário de Mansifeld Park e em parceria com a editora Martin Claret, começam hoje e vai até o dia 08 de junho as participações para o sorteio de 2 livros Mansfield Park, tradução de Alda Porto. 
Até o FITZwilliam Darcy, vulgo Fitz, quis participar do convite para o sorteio! 
Meninos são muito bem vindos, apesar do convite sedutor do gato Fitz! 🙂 
Para participar vocês deverão deixar nome e email de contato! Não será permitida a participação duplicada.
O resultado do sorteio será publicado aqqui no blog da JASBRA no dia 09 de junho! Fiquem atentos! Os vencedores terão 05 dias para enviar os dados de correspondência! 

Vejam os detalhes dessa coleção da Martin Claret: cores vibrantes, capítulos com o 1o parágrafo com a letra de Jane Austen e as flores das capas são todas em dourado!

Dois super lançamentos em português!

Luciana Darce, já se antecipou e publicou lá na página da JASBRA no Facebook, porém, como nem todos os leitores deste blog participam do nosso grupo por lá, resolvi publicar a notícia por aqui também. 
A livraria Cultura está lançando dois livros:

JUVENILIA 

é um livro duplo com escritos de Jane Austen e Charlotte Bronte, possui 472 páginas, tradução de Julia Romeu. Não há menção de quais livros da Juvenília fazem parte deste volume. Há apenas uma sinopse no site e está em pré-venda. Clique aqui para ter acesso ao livro. Publicação da Cia das Letras/Penguin. 

À primeira vista, Jane Austen e Charlotte Brontë parecem radicalmente opostas. Austen representa a elegância e a proporção neoclássica, parodiando excessos literários e criticando as fraquezas humanas. Brontë, por sua vez, imprime em sua escrita toda a paixão e a extravagância do espírito romântico, não raro com forte influência da fantasia. Numa época em que a literatura popular era considerada perigosa para a mente das jovens, a erudição precoce, a originalidade e a liberdade de espírito aproximam essas duas autoras. Ambas tinham como personagens centrais mulheres, sendo responsáveis pelos retratos mais marcantes de lealdade e dedicação feminina da literatura inglesa. E ambas constroem as suas heroínas como produtos do condicionamento feminino da época, cujas expectativas sociais eram muito restritas. Austen e Brontë tiveram uma produção bastante fértil na juventude, reunida neste livro, a qual parece encontrar uma espécie de equilíbrio no conflito entre a moral individual e social, criando heroínas complexas que se destacam por sua coragem e independência.
Trata-se de uma biografia de Jane Austen, com 224 páginas, escrita por Catherine Reef. Publicação da Editora Nova Século, com tradução de Katia Hanna. Essa biografia é mais recente e não tenho ainda no meu acervo, mesmo em inglês, portanto, eu não tenho como fazer qualquer comentário sobre a publicação. Entretanto, há que se lembrar que a autora deste livro é responsável por outras biografias e possui bastante livros publicados na área. Também vai para o meu carrinho de compras! Clique aqui para ter acesso ao livro.
Uma biografia contundente, perspicaz e divertida como uma legítima obra de Jane Austen, a vida revelada da escritora mais importante do século XIX. Embora seja uma das escritoras mais amadas de todos os tempos, Jane Austen ainda é uma figura de grande mistério. Seria ela a gentil e doce tia Jane? Ou uma moça de língua afiada, ardilosa, como sugere sua escrita? Como passava seus dias? E, se ela nunca alcançou o mesmo final feliz de suas personagens, teria ao menos encontrado o amor verdadeiro? Ambientando sua narrativa no contexto da aristocracia inglesa do século XIX, Catherine Reef extrai informações de cartas escritas por Austen para conceber um relato íntimo da vida e dos sentimentos da escritora. A narrativa inclui detalhes dos seis fascinantes romances publicados pela escritora.

Lançamento: Austelândia

A Karlinha do Coffee and Movies acaba de me avisar deste lançamento da editora Record:
 
 
 
Jane Hayes tem 33 anos e mora na Nova York atual. Bonita, inteligente e com um bom emprego, ela guarda um um segredo constrangedor: é verdadeiramente obcecada pelo Sr. Darcy. Embora sonhe com ele, os homens reais com os quais se depara são muito diferentes dos que habitam sua fantasia. Justamente por isso, ela decide deixar de lado sua vida amorosa e aceitar seu destino: noites solitárias aconchegada no sofá assistindo a Colin Firth em seu DVD.

Porém, esses não são os planos que sua rica e velha tia-avó Carolyn, tem para a moça. A única a descobrir o segredo de Jane deixa, em seu testamento, férias pagas para a sobrinha-neta na Austenlândia. A ideia é que Jane tenha uma legítima experiência como uma dama no início do século XX e consiga se livrar de uma vez por todas de sua obsessão. Contudo, para isso, ela terá que abrir mão do celular, da internet e até do uso de sutiãs em troca de tardes de leitura, espartilhos e… a companhia de belos cavalheiros. 

O livro inspirou o filme de mesmo nome estrelado por Keri Russell e sem data prevista para estrear. Assista ao trailer clicando no link http://bit.ly/AustenlandTrailer. ou Abaixo:

 
 

Desacelere suas emoções

Começa hoje uma série de posts em parceria com Elizabeth Kantor e Editora Realejo:

 By Elizabeth Kantor
Algumas vezes, as heroínas de Jane Austen se apaixonam completamente antes que os homens se comprometam. Todas elas, em um ponto ou outro, encontram-se apaixonadas em um nível e “com alguma dúvida do retorno”. Mas elas nunca dizem isso a um homem, como Audrey Raines fez. E elas também não começam a tentar se certificar de que ele vai se apaixonar também. Se uma heroína de Jane Austen vê um desencontro entre o quão rápido ou quão profundamente ela e um homem no qual ela está interessada estão se apaixonando, ela lida com isso primeiro no ponto onde ela tem controle e onde ela tem direito de ter controle. Ela pensa em administrar suas próprias expectativas em vez de jogar seus sentimentos e desejos para o mundo ou manipular o homem. Em vez de planejar esquemas para acelerá-lo, ela freia.

Nós, mulheres do século XXI, sabemos tudo sobre sexo, um assunto que Jane Austen quase não menciona. É axiomático hoje que, para ser um cavalheiro, e não um idiota, um cara tem que estar disposto a desacelerar sexualmente, a se ritmar para fazer amor – para acomodar a reposta sexual tipicamente mais lenta de uma mulher. Em comparação, não temos noção nenhuma do amor. Jane Austen, que sabia tudo de amor, entendia que uma mulher, muitas vezes, precisa desacelerar suas emoções e esperanças para o futuro, controlar a velocidade com a qual ela está se apaixonando, para poder acomodar a velocidade tipicamente mais lenta do apego emocional masculino. Em Jane Austen, autocontrole dá poder. Não é ser uma mulher reprimida e sem “voz”, que não sabe que pode ir atrás do que quer. As heroínas de Jane Austen sabem exatamente o que querem. Mas elas sabem que se agarrar a isso não garante o amor.

Sorteio: A fórmula do amor – Segredos de Jane Austen para relacionamentos

Começa hoje e vai até o dia 7 de novembro o sorteio do livro “A fórmula do amor – Segredos de Jane Austen para relacionamentos”. Vocês não vão perder, não é mesmo?
Para participar do sorteio basta, deixar seu nome e e-mail com uma resposta para a pergunta, feita por Rodrigo Simonsen, editor do livro: Qual é a fórmula do amor?

Persuasão por Vanessa Giácomo

Eu já tinha encontrado este vídeo há meses, mas sinceramente não me lembro porque não divulguei aqui no blog. A história de Persuasão é contado aqui neste vídeo pela atriz Vanessa Giácomo, tendo como base a edição publicada pela Editora Zahar. Muito interessante!

Razão e Sensibilidade – adaptado

Eu já tinha visto essa adaptação de Razão e Sensibilidade, escrita por Douglas Tufano e Renata Tufano Ho, mas acabei me esquecendo de publicar aqui no blog.

O livro tem 120 páginas, foi publicado pela Ediotra Paulus e custa R$ 15,00 no Submarino. O livro é da mesma linha editorial de Orgulho e Preconceito – também publicado aqui no blog, adaptado por João Pedro Roriz (fiz uma entrevista com ele em outubro de 2009, veja aqui).

Resenha no site Submarino:

Razão e Sensibilidade está focado nos relacionamentos de Elinor e Marianne Dashwood, duas filhas do segundo casamento do Sr. Dashwood. Elas têm uma jovem irmã, Margaret, e um meio-irmão mais velho, John. Quando seu pai morre, a propriedade da família passa para John, o único filho homem, e as mulheres Dashwood se veem em circunstâncias adversas. 
O contraste entre as irmãs, mostrando Elinor mais racional e Marianne mais emotiva e passional, é resolvido quando cada uma encontra, à sua maneira, a felicidade. Ao longo da história, Elinor e Marianne buscam o equilíbrio entre a razão e a sensibilidade na vida e no amor.