Quinta edição da Revista Literausten

É com muita satisfação que terminamos o ano de 2019 com a publicação de mais uma edição da Revista Literausten! Desta vez, contamos com a colaboração dos alunos da disciplina “Jane Austen, Crítica Literária e Cultura Popular”, oferecida na Universidade de São Paulo – USP, Departamento de Letras Modernas, pela Dra Maria Clara Pivato Biajoli no primeiro semestre de 2019.

Segundo Maria Clara Biajoli, são apresentados “três artigos sobre Razão e Sensibilidade, um sobre Lady Susan, um sobre Emma e um sobre Amor e Amizade, os quais abordam temáticas diferentes mas que dialogam com o tema geral do curso e com a proposta de trazer um olhar crítico e questionador para a obra de Austen – e, no caso específico do artigo de Débora Spacini Nakanishi, sobre adaptações. São trabalhos acadêmicos de qualidade, apoiados em bibliografia especializada e que contribuem com o desenvolvimento da pesquisa sobre Austen no Brasil. As alunas – graduadas, mestrandas e doutorandas – estão de parabéns pelos resultados e merecem esse espaço de divulgação científica que a LiterAusten fica feliz de propor.

ADAPTANDO UM “HERÓI’ DE AUSTEN: TRÊS VERSÕES DE EDWARD FERRARS – Débora Spacini Nakanishi

A INSTITUIÇÃO FAMILIAR EM RAZÃO E SENSIBILIDADE – Beatriz Rodrigues Ramos

EMMA WOODHOUSE E A AUTORIDADE FEMININA EM CHEQUE – Gabriele Cristina Borges de Morais

Lições para uma vida – Milene de Almeida Silva

RAZÃO E SENSIBILIDADE: RESSIGNIFICAÇÕES LINGUÍSTICAS NA NARRATIVA Dayse Paulino de Ataide

“THE FEMALES OF THE FAMILY ARE UNITED AGAINST ME”: LADY SUSAN EM PRIMEIRAS IMPRESSÕES – Yuriko Bezerra Lima Yogi

Revista Literausten Edição 03

Queridos leitores, é com muita satisfação que anuncio a publicação da terceira edição da revista Literausten! Os textos e artigos são super interessantes! Espero que gostem!

Vejam os assuntos tratados nessa edição. Para baixar o arquivo em pdf, basta acessar a página da revista, clicando aqui.

capa literausten

ENSAIO

  • ORGULHO E PAIXÃO: PRIMEIRAS IMPRESSÕES (Flávia Luciene A. O. Lima e Luana Oliveira Lima)

 

RESENHA

  • ESCRITOS DA JUVENTUDE, ESCRITOS DA VIDA ADULTA: A IMPORTÂNCIA DA JUVENILIA PARA SE ENTENDER JANE AUSTEN (Maria Clara Pivato Biajoli)

 

ARTIGOS

  • THE LIZZIE BENNET DIARIES: umA ADAPTAÇÃO DE ORGULHO E PRECONCEITO PARA O SÉCULO XXI EM FORMATO DE WEBSÉRIE  (Daiane da Silva Lourenço)
  • JANE AUSTEN NO SÉCULO XXI: CONVERGÊNCIA TECNOLÓGICA, RUPTURAS E PERMANÊNCIAS NA WEB SÉRIE THE LIZZIE BENNET DIARIES (Giovana Montes Celinski)
  • ORGULHO E PRECONCEITO: A MULHER INGLESA E O MATRIMÔNIO (1797- 1813 (Natália Cristiane Oliveira dos Santos e Nency Netaly Gomes Furlan)

Sociabilidade, Sentimento e Formação: sobre as mulheres em Hume e em Jane Austen

intro

A Revista Enunciação acabou de publicar um artigo de autoria de Marcos Balieiro com o título: ‘Sociabilidade, Sentimento e Formação: sobre as mulheres em Hume e em Jane Austen’.

CAPA-V.2-N.2

Resumo:

Trata-se de comparar as perspectivas de Jane Austen e David Hume acerca da relação entre literatura e sociabilidade, especialmente no que diz respeito à formação do caráter das mulheres. Com isso, é possível mostrar que a literatura de Austen é pensada, em ampla medida, como resposta à maneira como a filosofia das luzes britânicas concebia a natureza e o caráter femininos, além de implicar uma recusa bastante contundente da tradição da galanteria.

Para ler o artigo completo, clique aqui.

Segunda Edição da Revista LiterAusten

Para começar bem o ano de 2018 uma ótima notícia: a 2a edição da Revista LiteraAusten (revista da Jane Austen Sociedade do Brasil) acaba de ser publicada!

Nessa edição foram publicados os seguintes textos:

  • Amor e mito (Lúcia Helena Galvão Maya)
  • Jane Austen circulando no Brasil no século XIX (Adriana dos Santos Sales)
  • Quem ri por último, ri melhor: a paródia póstuma de Jane Austen (Kathia Brienza Badini Marulli)
  • O poder do casting (Moira Biachi, Schirlei Rickli, Luciana Araújo)
  • Estética da recepção em sala de aula: Jane Austen, filme e obras em análise (Rosiane Maria Gusberti Franke)

Clique aqui para ter acesso ao pdf ou na imagem abaixo.

Ou clique aqui para ler a edição anterior.

literausten número 2, segundo semestre de 2017

 

 

Lançamento Oficial da LiterAusten

Temos como missão disseminar com seriedade e dedicação a obra da escritora inglesa Jane Austen e, este propósito, tem vida e nome: LiterAusten!

Este 1o Volume, publicado no dia em que o mundo recorda com reverência o falecimento de Austen há 200 anos, traz artigos inéditos e outros já publicados em anais de congressos e demais veículos de propagação digital.

O conteúdo deste volume versa sobre o estilo literário de Austen; acerca dos gêneros feminino e masculino em suas obras, também aborda a difusão da Austenmania e suas ramificações pelas fanfics.

Desejamos que a leitura seja proveitosa e que a mente e genialidade de Austen sejam atributos cada vez mais reconhecidos entre os amantes da literatura.

Adriana dos Santos Sales

Fábio Paiva Reis

Marcelle Santos Vieira Salles

Lançameto da Revista LiterAusten!

Prezados leitores e amigos que me acompanham há anos! É com muita satisfação que anuncio o lançamento do 1o número da Revista LiterAusten no dia 18 de julho de 2017! Vejam os detalhes da revista na seção especial aqui do blog. Espero que gostem e participem!

Literausten blog

Jane Austen é Pop – Mulheres em Letras na UFMG

Hoje a partir de 15:45, Adriana Sales (Presidente da Jasbra) fará uma palestra na UFMG, com o título “Jane Austen é Pop”. A apresentação deste trabalho tem como objetivo fazer uma discussão a respeito das produções para o cinema e televisão, assim como os desdobramentos nas redes sociais, inclusive Youtube, que transformou Jane Austen em cultura pop.

pop

 

Estereótipos literários: Austen como pioneira do chic lit?

Olá leitores!

Recordo que há alguns anos, uma amiga muito inocentemente me questionou: “Aqui, estes livros da Jane Austen que você gosta de ler, são no estilo daqueles romances de banca, certo? Tipo… Sabrina, Bárbara, Samantha?”

Confesso que naquele fatídico momento, me deu uma vontade louca de dar um murro na cara dela, mas como ela é uma amiga muito especial e devido ao carinho que dedico à nossa amizade, sorri de volta e respondi delicadamente (entre os dentes, é claro!) que ela estava redondamente enganada.

Em referência ainda, aos estereótipos literários que as pessoas insistem em conferir à obra de Austen, o blog Baiana da Baviera trouxe um artigo interessante, o qual recomendamos a leitura e reflexão. O título da referida publicação já é instigante:

Jane Austen: mãe do chic lit?

O conteúdo explora que, apesar das obras austenianas agradarem predominantemente o universo feminino – assim como a maior parte do estilo chic lit o faz -, ainda assim seus livros se destacam por abordar temas delicados àquela época, como a negligência aos direitos civis das mulheres, a falta de poder de escolha feminina quanto aos relacionamentos amorosos, choques nos encontros entre classes, escândalos familiares, entre outros tópicos relevantes que versam as tramas construídas por Austen.

Particularmente, creio que Austen não deve ser classificada num gênero chic lit. Longe de ser um preconceito ao estilo ou não observância da suposição de que ela pudesse desejar sua obra emergindo um alcance popular à época. Acima disso, me valho da plena convicção de que Austen sempre quis dizer muito mais em seus contextos imaginários do que insistem em reparar, a maior parte daqueles que adoram esteriotipar sua obra. Austen caprichava nos diálogos, lançava mão de uma linguagem clara e clássica e ironizava como nenhum outro escritor fora capaz de fazer até hoje.

Jane Austen é sim um cânone literário, ao passo que o chic lit volta sua ambição à prateleira comercializável e não à moldura clássica.

Sorry chic lit, mas em Austen, você é apenas uma referência e não um enquadramento.

Jane Sorridente

Marcelle Vieira Salles

Edmund Bertram e Fanny Price – Bicentenário de Mansfield Park

O que vocês acham dos personagens principais 
de Mansfield Park?
Leia abaixo um breve estudo que realizei em 2010 na ocasião do lançamento da minha tradução Mansfield Park – Editora Landmark.

Por que Jane Austen era feminista?

A leitora Alexandra Duarte nos presenteia hoje com suas reflexões a respeito de Jane Austen e feminismo. E vocês leitores, o que acham desta perspectiva?

O artigo está disponível para download, basta clicar na imagem abaixo.