Cartas de Jane Austen – tese de doutorado da USP

Em tempos de corona vírus a vida acadêmica não pode parar! Hoje nasce uma doutora em estudos linguísticos e literários em inglês pela USP! Parabéns Renata Cristina Colasante pelo brilhante trabalho “cartas de Jane Austen: um estudo e tradução anotada”! Tive o prazer de participar dessa banca ao lado dos professores Marcos Antônio de Moraes e Lenita Maria Rimoli Pisetta e da orientadora Sandra Guardini

A [IN]DESCRIÇÃO DE JANE AUSTEN

Artigo escrito por Larissa Pereira de França[1], Publicado na Revista Literausten, edição 06/2019.

Se a um leitor assíduo das obras de Jane Austen é pedido para que trace um perfil de algumas das personagens dos romances Austeneanos, com sucesso esse leitor será capaz de fazê-lo. Facilmente, um pode traçar o perfil do Sr. Collins – um homem pedante, repugnante, bajulador e, como muitos dizem um “mala”. Ou da Sra. Bennet – uma senhora falante, ignorante, fútil e fofoqueira que vive por casar as filhas e não se cansa de reclamar da vida. Ou de Sir Walter Elliot – um baronete quase falido, porém prepotente, vaidoso e orgulhoso.

Porém, ao refletir, esse leitor percebe que nos perfis que traçou não havia sequer uma característica física. Ele percebe que não sabe a cor dos olhos do Sr. Collins, a estatura da Sra. Bennet ou se Sir Walter Elliot era calvo. Não sabe porque Jane Austen não dá a ele essa informação. No entanto, é capaz de imaginar perfeitamente essas personagens. Isso porque a descrição física e material – preferida pela grande maioria dos escritores – para Jane Austen não aparenta ser o mais importante dentro de uma obra. Entretanto, a autora se destaca pela ausência dessa descrição – o que chamo de [in]descrição. O que é e a importância dessa [in]descrição constituem a preocupação deste artigo.


[1] Formada em Letras – Inglês/Literaturas pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ). E-mail: larissa.p.franca@gmail.com.

O ROMANCE UNILATERAL DE JANE AUSTEN E TOM LEFROY

Tradução inédita do artigo escrito por Joan Klingel Ray[1] com tradução de Adriana Sales Zardini (tradução)[2], Publicado na Revista Literausten, edição 06/2019.

A ânsia de introduzir um romance apaixonado na vida de Jane Austen – seja com o jovem irlandês Tom Lefroy ou com outra pessoa – não é novidade. Em uma palestra proferida em 1925, na Sociedade Real de Literatura dos Estados Unidos sobre a “lacuna” na produtividade literária de Austen entre 1797 (Primeiras Impressões) e o “dilúvio” de romances após 1811, H. W. Garrod advertiu sensatamente:

 
Os biógrafos de Miss Austen procuraram a explicação do mistério em um caso de amor. Mas talvez uma explicação mais simples [seja]. . . que, apesar de ter escrito seus três primeiros romances até o final de 1798, não havia encontrado uma editora para nenhum deles até 1811. Um gênio, o mais fértil, necessariamente sente seus ardores bastante amortecidos pelo infortúnio de três filhos natimortos. (GARROD, 1935: 27-28). Com o lançamento do filme “Amor e Inocência” pela Miramax, em 2007, essa especulação se espalhou pelo mundo dos fãs de Austen para o público do cinema. Muitos cineastas podem acreditar que não apenas Lefroy era o “muso” romântico de Austen, mas também que ele mantinha um lugar em seu coração.



[1] Joan Klingel Ray (email: jray@uccs.edu) é professora de inglês e pesquisadora da Universidade do Colorado, em Colorado Springs, Presidente dos amigos norte-americanos da  Chawton House Library.  Foi Presidente da JASNA (Jane Austen Society of North America) de 2000 a 2006.

[2] Adriana Sales Zardini (email: aszardini@gmail.com) é doutora em Estudos Linguísticos pela UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais), professora de inglês no CEFET-MG (Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais) e Presidente da JASBRA (Jane Austen Society of Brazil) desde 2009.

JANE AUSTEN, HANNAH MORE E O DRAMA DA EDUCAÇÃO

Tradução inédita do artigo escrito por Jane Nardin[1] Tradução: Vitória Martins de Souza e Ana Clara Coura Vargas (CEFET-MG Timóteo)[2]. Publicado na Revista Literausten, edição 06/2019.

Jane Austen sabia tudo sobre Hannah More, mas Hannah More nunca ouviu falar de Jane Austen, o que não chega a ser surpreendente. Apesar da popularidade de More não ter sobrevivido após sua morte, em 1833 aos 88 anos, enquanto viva, essa cristã moralista foi, sem sombra de dúvida, a mais famosa escritora inglesa.

Leia o artigo completo aqui.


[1] Professora de Literatura Inglesa na Universidade de Yale. E-mail: jane.nardin@yale-nus.edu.sg. Website: <https://www.yale-nus.edu.sg/about/faculty/jane-baron-nardin/>. Jane Nardin é Professora de Inglês na Universidade de Wisconsin, Milwaukee, EUA, onde se especializou nos romances ingleses do século XIX. Seu livro mais recente é Trollope and Victorian Moral Philosophy (Impresso na Universidade de Ohio, 1996), ainda sem título em português.

[2] São alunas do Ensino Médio no CEFET-MG Campus Timóteo. Conduziram esse trabalho sob orientação da professora Adriana Sales e co-orientação de Marcelle Salles em 2019.

Nova edição da Revista Literausten

Para o presente número da Revista LiterAusten  apresentamos um poema em homenagem a Jane Austen, escrito por Lúcia Leão, e, em seguida, um artigo traduzido pelas alunas do Ensino Médio do CEFET-MG – Campus Timóteo, sob orientação de Adriana Sales Zardini e Marcelle Santos Vieira Salles. Também apresentamos a tradução de um artigo muito interessante a respeito do relacionamento entre Tom Lefroy e Jane Austen, escrito, em inglês, pela Joan Ray (JASNA).  Além dos dois artigos traduzidos, apresentamos também o artigo de Larissa França, que traz uma análise sobre a descrição dos personagens Austen em duas: Orgulho e Preconceito e Persuasão. A partir desta edição, serão publicados artigos, ensaios e demais trabalhos sobre escrita de autoria feminina e todo o universo de pesquisas que retratem essa temática.

Vejam os títulos das publicações desta edição:

JANE’S HAPPY ENDINGS (Lúcia Leão)

JANE AUSTEN, HANNAH MORE E O DRAMA DA EDUCAÇÃO  (Jane Baron Nardin, Vitória Martins de Souza e Maria Clara Coura)

O ROMANCE UNILATERAL DE JANE AUSTEN E TOM LEFROY (Joan Klingel Ray e Adriana Sales Zardini)

A [IN]DESCRIÇÃO DE JANE AUSTEN (Larissa Pereira de França)

O papel feminino nas traduções de Orgulho e Preconceito

Hoje tenho uma sugestão de leitura de um trabalho acadêmico sobre o papel feminino em Austen. Trata-se do trabalho de conclusão de curso em Letras da Bianca Presotto, sob orientação de Mirian Ruffini – da Universidade Federal Tecnológica do Paraná.

O trabalho de Bianca versa sobre “A configuração do papel feminino em traduções da obra Pride and prejudice de Jane Austen” e pode ser acessado aqui.

Cena do filme Lost in Austen (20090

Revista Literausten Edição 03

Queridos leitores, é com muita satisfação que anuncio a publicação da terceira edição da revista Literausten! Os textos e artigos são super interessantes! Espero que gostem!

Vejam os assuntos tratados nessa edição. Para baixar o arquivo em pdf, basta acessar a página da revista, clicando aqui.

capa literausten

ENSAIO

  • ORGULHO E PAIXÃO: PRIMEIRAS IMPRESSÕES (Flávia Luciene A. O. Lima e Luana Oliveira Lima)

 

RESENHA

  • ESCRITOS DA JUVENTUDE, ESCRITOS DA VIDA ADULTA: A IMPORTÂNCIA DA JUVENILIA PARA SE ENTENDER JANE AUSTEN (Maria Clara Pivato Biajoli)

 

ARTIGOS

  • THE LIZZIE BENNET DIARIES: umA ADAPTAÇÃO DE ORGULHO E PRECONCEITO PARA O SÉCULO XXI EM FORMATO DE WEBSÉRIE  (Daiane da Silva Lourenço)
  • JANE AUSTEN NO SÉCULO XXI: CONVERGÊNCIA TECNOLÓGICA, RUPTURAS E PERMANÊNCIAS NA WEB SÉRIE THE LIZZIE BENNET DIARIES (Giovana Montes Celinski)
  • ORGULHO E PRECONCEITO: A MULHER INGLESA E O MATRIMÔNIO (1797- 1813 (Natália Cristiane Oliveira dos Santos e Nency Netaly Gomes Furlan)

Para sempre Jane Austen – palestra em Belo Horizonte

Prezados leitores,

a palestra ‘Para sempre Jane Austen’ foi remarcada para o dia 3 de julho às 15:00 no auditório da Biblioteca Pública de Minas Gerais, Praça da Liberdade, 21. O evento é gratuito e aberto a todas as idades!

Quem desejar visitar a exposição, ela se encontra no segundo andar da biblioteca! Imperdível!

para sempre Austen julho

E-book gratuito: Jane Austen em Portugal

Hoje é dia mundial do livro e a Biblioteca Nacional de Portugal está oferecendo donwload gratuito de seis e-books, entre eles o livro organizado por Rogério Miguel Puga ‘Jane Austen em Portugal: (con)textos’. Eu comprei o livro no ano passado e recomendo! Há inúmeros artigos sobre análises da recepção de Jane Austen em Portugal e o universo de fãs. Corre lá porque o  download gratuito é até às 24 horas!

 portugal

Conferência Jane Austen Superstar

Devido às homenagens pelo bicentenário da morte da escritora, 2017 tem sido um ano rico em eventos dedicados à inglesa Jane Austen. Encontros de fãs, palestras acadêmicas, seminários e mais se multiplicam pelos quatro cantos do mundo, como forma de celebração ao trabalho da escritora e seu legado.

Entre os países de língua portuguesa, em junho, foi realizado no Brasil, na capital mineira, o “VI Encontro Nacional da Jane Austen Sociedade do Brasil“, promovido pela JASBRA, e nos dias 11 e 12 de dezembro, aconteceu na Universidade Católica Portuguesa, em Lisboa, Portugal, a conferência “Jane Austen Superstar”.

A conferência portuguesa ofereceu um programa extenso e variado (o programa está disponível para download aqui), com debates e palestras, contando com a participação da brasileira Maria Clara Pivato Biajoli, Doutora em Teoria e História Literária, pela UNICAMP.

Confira abaixo, um apanhado da conferência realizada em Portugal, escrito pela Dra. Maria Clara, exclusivamente para JASBRA.

A conferência dessa semana, na Universidade Católica de Lisboa, tinha uma proposta interessante de abrir, para análise, tanto as raízes de Austen nos séculos XVIII e XIX, sua ironia, estilo, tópicos abordados, etc., quanto o seu impacto na formação da literatura moderna e atual – justificando o título da conferência, o que torna Austen uma popstar atual?

Jane Austen Superstar 2
Maria Clara Pivato Biajoli (Foto Divulgação)

As apresentações abordaram tópicos bastante interessantes, como o uso dos textos de Austen para a formação do léxico do Oxford English Dictionary, a sua relação com a filosofia moral, as traduções da década de 1815-20, para o francês e as traduções da década de 1940, para Portugal, diversas análises sobre adaptações, seriados, zumbis, fanfiction, The Austen Project, etc.

Com a exceção de mim mesma e de outra pesquisadora da UFRGS, a doutoranda Deborah Simionato, todos os apresentadores eram portugueses, o que nos mostra como os nossos irmãos (e irmãs, já que a grande maioria era mulher) desse lado do Atlântico estão produzindo pesquisas muito interessantes e no nosso idioma, o que torna esses trabalhos muito mais acessíveis aos brasileiros!

Gostaria de destacar a palestra de encerramento do Professor Álvaro Pina, que leu, com muito cuidado e sensibilidade, algumas passagens estratégicas de Emma, Orgulho & Preconceito e Persuasão, analisando o tecer da narrativa de Austen, mostrando como ela convoca seus leitores à preencherem lacunas ou “dicas” durante a leitura. De forma geral, foram dois dias intensos, que só provaram como Austen é extremamente complexa e como, mesmo depois de 200 anos de sua morte e aproximadamente 100 anos de sua descoberta pela crítica literária, há ainda muito a se debater.

Imagens: janeaustesuperstar
Introdução: Pollyana Coura
Texto: Maria Clara Pivato Biajoli