Jane Austen Centre e duas garotas

A proposta do vídeo de é apresentar dois museus: Jane Austen Centre e Fashion Museum em Bath! Quando visitei Bath em 2012 nem sequer imaginei em fazer qualquer vídeo do local, me contive apenas a ser bastante discreta e aproveitar cada minuto!

girls.png

Confiram a o Museu Jane Austen Centre em Bath sob a ótica de Maddie e Bee!

Anúncios

Jane Austen e a moda

Encontrei por acaso hoje um vídeo “Jane Austen Fashion” com inúmeras imagens de trajes do período em que Jane Austen viveu! O vídeo possui apenas imagens e um fundo musical, mas vale à pena pela riqueza de modelos!

Para quem se interessar, há alguns livros sobre Jane Austen e moda como o “Fashion in the time of Jane Austen” de Sarah Jane Downing, publicado por Shire Library, disponível em formato impresso e digital na Amazon.

81eM2JFp8ML.jpg

 

Moda na época de Jane Austen

Um lançamento que me despertou bastante interesse recentemente foi o do livro: 

Fashions in the Era of Jane Austen: Ackermann’s Repository of Arts de Jody Gayle. 




O livro custa 19,84 (dólares) mas está com um precinho tentar no formato kindle, apenas 6,99 (dólares). Para quem não conhece, o Kindle é um dispositivo eletrônico para leitura de textos e livros. Entretanto, não é necessário ter um kindle quando ser tem um computador ou tablet, basta baixar o aplicativo para usar nesses outros dispositivos. 


O livro contém 356 páginas! Recheadas de ilustrações! No site da Amazon ainda é possível visualizar algumas páginas do livro.  Clique aqui para maiores informações! 

A amiga Valéria Fernandes (Shoujo Café) acaba de me informar sua opinião:  Ele é basicamente uma coletânea ano a ano de ilustrações de moda da época. Fashion Plates. Para quem se interessa pela época ou por História da moda, vale à pena, sim.”

Refletindo sobre musselinas

Texto originalmente publicado no Blog Sapatinhos Vermelhos, autoria de Nikellen Witter.

“Sua obsessão, agora, era escolher o vestido e o penteado para a grande ocasião. Não se tratava de um escrúpulo inocente. O zelo em relação ao traje é por vezes sinal de frivolidade, e a dedicação excessiva frequentemente aniquila as melhores intenções. Catherine sabia tudo isso muito bem; pouco tempo antes, no Natal, sua tia-avó a recriminara neste tema. No entanto, ela permaneceu acordada na cama por dez minutos naquela noite de quarta-feira, tentando decidir se seria melhor usar musselina estampada ou bordada, e somente a escassez de tempo impediu-a de comprar um vestido novo para o baile. Ela incorria num erro comum de julgamento, grave porém comum, do qual poderia ser prevenida por alguém do sexo oposto (mais do que por uma mulher) ou por um irmão (mais do que por uma tia-avó), pois apenas um homem pode ter ideia de como o homem é insensível diante de um vestido novo. Muitas damas cairiam em grande mortificação se chegassem a entender o quão pouco o coração de um homem é afetado por peças dispendiosas ou novas nas vestes femininas; o quão pouco é influenciado pela textura de uma musselina, e como é impassível e incapaz de fazer distinção entre tecidos finos ou de algodão, estampados ou bordados. A mulher se veste bem para satisfazer apenas a si mesma. Nenhum homem terá mais admiração por ela, nenhuma mulher lhe dedicará mais apreço. O asseio e a elegância bastam ao primeiro, e um aspecto andrajoso ou inadequado será bastante apreciado pela segunda. Mas nenhuma destas sérias reflexões transtornou a alma de Catherine.”

Jane Austen, A abadia de Northanger. L&PM, 2011, p. 81.

O extraordinário de ler Jane Austen é constatar a agudeza e a atualidade de sua descrição do ridículo de cada criatura. Acabo imaginando-a como uma profunda estudiosa e, por isso, conhecedora da alma humana. Porém, neste caso, seria preciso acreditar que o humano possui um substrato que lhe é inerente, mesmo que metamorfoseado em função das raízes culturais. Seria acreditar que, no fundo, somos variações do mesmo e patético serzinho. Tal reflexão, no entanto, caberia mais a um filósofo que a uma profissional da História (ou das histórias). Creio que minha conclusão, ao fim, não seria melhor. Talvez, fosse ainda mais desencantada. Pois, se não somos todos iguais em nosso fundamento, então, a verdade, é que, em algumas áreas, mudamos (a não ser nos modelos do guarda-roupas) bem pouco, nos duzentos anos que nos separam da inglesinha.

Museu britânico promove exposição de figurinos de cinema

“O Fashion Museum, localizado na cidade inglesa de Bath, recebe, entre os dias 12 de julho e 29 de agosto, a exposição Dressing the Stars: British Costume Design at the Academy Awards, exibição que reúne figurinos britânicos de grandes filmes premiados no Oscar nos últimos 50 anos. Aproximadamente quarenta peças integrarão a mostra, que também contará com entrevistas e depoimentos de estilistas envolvidos no processo de criação das roupas.
“Desde a primeira leitura do script até as conversas com os diretores e atores, o processo de criação e interpretação das roupas é bastante árduo e difícil, mas extremamente gratificante”, explicou Yvonne Hellin-Hobbs, curadora da exibição. “Outros eventos também estão programados para acontecer enquanto a exposição estiver em cartaz, como a exibição dos filmes em cinemas locais e o debate com figurinistas e designers responsáveis pelas peças vistas nas telonas”, completou.
O Discurso do Rei (2010), A Duquesa (2008), Elizabeth, A Era de Ouro (2007), Piratas do Caribe (2003), Razão e Sensibilidade (1995), Shakespeare Apaixonado (1998) e A Mulher do Tenente Francês (1981) são exemplos de filmes que contribuem para o sucesso do figurino britânico no cinema internacional e também integram a exposição.”

Fonte: modaspot.com

Mais fotos:

Roupas Recicladas em Adaptações Parte 3

Bem, pessoal, esse é o terceiro post sobre a reciclagem de roupas em adaptações, sei que o post está meio atrasado, uma vez que fiquei devendo o da semana passada, mas o importante é que finalmente consegui fazê-lo.

No post de hoje vou abordar as versões de Persuasão. Então vamos ao que interessa!!

Sra Clay (Felicity Dean) em Persuasão (1995)

Veste a mesma roupa usada pela
Sra Kirkpatrick (Francesca Anis) em ‘Wives an Daughters'(1999)

E ainda no mesmo ano em ‘David Copperfield’,
é usado pela atriz Emilia Fox, que interpreta Clara Copperfield

O vestido usado pela Sra Croft(Georgine Anderson)
na versão de 71

É visto em ‘Horatio Hornblower:Loyalty’
sendo usado pela Sra Mason (Barbara Flynn)

O bolerinho verde usado pelo ‘extra’ à direita
de Anne Elliot (Sally Hawkings)

Foi usado anteriormente em Vanity Fair (1998)
por Becky Sharp (Natasha Little)

O bolerinho cinza com gola aveludada
usado por Anne Elliot (Sally Hawkings)

Já tinha sido usado em Orgulho e Preconceito (1995)
por Kitty Bennett(Polly Marbely)

E também foi usado por Lisa Braund, participante
de Regency House Party (2004)

O chapéu de Louisa Musgrove (Jennifer Higham)

Já tinha sido usado na versão de Emma para tv por
Samantha Morton que interpretou Harriet Smitn

A capa usada pela Sra Smith (Maisie Dimbley)
na versão de 2007

Foi também usada na versão de 1995
pela Sra Clay (Felicity Dean)

E ainda mais uma vez na versão de Emma (2009)
pela Sra Bates(Tamsim Greig)

Bem, esse post termina aqui,
até a próxima semana!!

Roupas Recicladas em Adaptações – Parte 2

Oi, gente!! Dando continuidade ao post da semana passada, hoje vou abordar as adaptações de Emma, tanto a da tv quanto a do cinema de 1996 e a série da BBC de 2009.

Só lembrando que as intérpretes das adaptações foram a Kate Beckinsale na versão da tv em 1996, no mesmo ano a Gwneth Paltrow fez a versão da Miramax, e a Romola Garai fez a versão da BBC em 2009. Então vamos lá!

Sra Weston (Jodhi May) na versão de 2009, usa o mesmo vestido
da Sra Brocklebank (Denise Black) em ‘To the Ends of the Earth’ (2005)

Emma (Kate Beckinsale) usa um traje com o mesmo tecido
usado por Celia Burroughs (Lucy Brown) em ‘Sharpe’s Challenge’.
Emma (Gwneth Paltrow) usa um vestido verde que
será visto em ‘Regency House Party’ por Tanya Samuel em 2004.


Só para constar, Regency House Party não é uma série e sim uma espécie de reality show, onde são reunidos dez participantes em uma casa ambientada no Período Regencial (1811-1820) periodo em que o Rei Gerge III foi declarado louco e seu filho assumiu o trono como Principe Regente, posteriormente conhecido como George IV.

Sra Goddard ( Judith Cole), em Emma 1996 para tv,
usa um vestido de bolinhas


Usado pela Sra Bennet (Alison Steadman)
em ‘Orgulho e Preconceito’ (1995)

E ainda mais uma vez, o mesmo traje é visto na série
‘Vanity Fair’ (1998) por Joana Scanlan como Betsy.

Sra Weston (Jodhi May) na versão da BBC (2009) com o
mesmo casaco usado por Elinor em ‘Razão e Sensibilidade’ (2008)

O mesmo bolerinho usado por Emma (Romola Garai)
é usado por Lady Harriet (Sarah Carpenter) em ‘Poldark’ (1996)


E visto novamento em 1998 na versão de ‘Vanity Fair’
sendo usado por Natasha Little como Becky Sharp

Kate Beckinsale usa o mesmo vestido usado
por Julie Cox como Anabella em ‘Byron’ (2003)

Ainda mais uma vez Emma(Kate Beckinsale)
e Anabella (Julie Cox) dividem o mesmo guarda-roupa


Emma (Romola Garai) usa o mesmo vestido estampado usado
por Mercedez (Dagmara Dominczyk) em ‘O Conde de Monte Cristo’

Jane Fairfax ( Laura Piper) na versão da BBC usa vestido de tecido
igual usado por Gemma Arteton em ‘Tess of The D’ubervilles’ (2008)

E pra finalizar até os rapazes usam roupas recicladas, Sr Knightley
(Jonny Lee Miller) na versão de 2009 usa o mesmo paletó

usado por Edmund Talbot (Benedict Cumberbath)
em ‘To The Ends of the Earth’

Até a proxima semana!!

Roupas Recicladas em Adaptações – Parte 1

Olá Pessoal, para quem não me conhece, eu sou Raquel Oliveira, faz algum tempo que participo do blog apenas como leitora, embora a Adriana tenha me chamado para ajudar no blog já há algum tempo, só agora estou conseguindo fazer isso.

Confesso que fico um pouco relutante a escrever os posts, uma vez que não estou muito acostumada à blogosfera, pelo menos não como escritora.

Mas já consegui escrever dois posts Steve: Keira e Colin Juntos e Colin Firth: Eu tenho uma voz. E esse é o meu terceiro.

Faz um tempo que sugeri à Adriana fazer uma postagem sobre roupas recicladas, mas nunca tinha colocado em prática até agora. Antes de tudo gostaria de dizer que as descobertas não são minhas, mas de uma amiga de um outro fórum que participo, que tem como hobby pesquisar roupas reutilizadas.

Como são várias aparições, a Adriana me sugeriu não colocar tudo num único post e sim aos poucos, em um ou dois posts semanais. Esse é o primeiro deles, e nele vou abordar Orgulho e Preconceito.

Quem nunca ouviu aquela famigerada pergunta “Onde você comprou?” ou nunca teve aquela sensação de “Já vi essa roupa antes” ou ainda nunca deu de cara com uma roupa conhecida e ter pensado “Tenho um igualzinho a esse!”

É isso que vocês verão nos próximos posts. Divirtam-se!

Aqui Charlote Lucas (Lucy Scott), Orgulho e Preconceito (1995)


usa o mesmo vestido usado por Mary Shelley,

(Sally Hawkins) em Byron (2003)





Georgiana Darcy (Emilia Fox) usa o mesmo chapéu
usado por Mercedez Iguanada
(Dagmara Dominczyk) em ‘O Conde de monte Cristo’





Emilia Fox como Clara Copperfield veste a roupa

de Maria Lucas (Lucy Davis) em Orgulho e Preconceito (1995)


O turbante aqui usado pela Sra Forster (Victoria Hamilton)



Também usado pela Sra Elton (Christina Cole) em Emma (2009)

E visto ainda mais uma vez sendo
usado por um ‘extra’ em O Conde de Monte Cristo



O bolerinho de Lizzie ( Jennifer Ehle)



Usado por Amanda Price (Jemima Rooper)

em Lost in Austen


Ainda veremos mais, aguardem os próximos posts!!

O casamento de Lizzy e Mr. Darcy

Antes de iniciar este post eu gostaria de agradecer a Elaine Valente pelos posts maravilhosos da semana passada! Obrigada! Eu acabei escapando alguns dias para viajar com minha família e a Elaine gentilmente ficou responsável pelo blog.
O post de hoje apresenta um ensaio fotográfico insipirado no livro Orgulho e Preconceito.

Anne, do Blog The City Sage, disponibilizou uma série de fotos do ensaio fotográfio para a Revista Nonpareil inspirado em Orgulho e Preconceito, mais precisamente no casamento de Lizzy Bennet e Mr. Darcy. Algumas fotos não fizeram parte do ensaio publicado pela revista e você poderá vê-las aqui.

Detalhe do convite de casamento

Os noivos

Vejam como capricharam na escolha das flores, docinhos, roupas e no local da recepção! A publicação da revista você poder ver aqui. O título do ensaio fotográfio é Happily Ever Austen!

A revista ainda disponibiliza o download de dois arquivos de imagens que fizeram parte do ensaio: as borboletinhas para montar uma guirlanda e imagens que podem ser usadas em capas de livros antigas ou até mesmo fundo de montagens para trabalhos em scrapbook. O donwload poderá ser feito aqui.

2010 Regency Exhibition Ball

Pam Leigh, membro da Jane Austen Society North America- Michigan Region, foi eo 2010 Regency Exhibition Ball e nos presenteia com algumas fotos do evento! Thanks dear!!
Pam
o esposo
Os participantes
Pam me disse que irá ao Regency Masquerade Ball (baile de máscaras) em agosto. Dá para imaginar? Dois bailes assim no mesmo ano? 🙂
Dear Pam, thanks for your permission to publish your pictures here! We hope next august you can take a lot of them to show us!