Refletindo sobre musselinas

Texto originalmente publicado no Blog Sapatinhos Vermelhos, autoria de Nikellen Witter.

“Sua obsessão, agora, era escolher o vestido e o penteado para a grande ocasião. Não se tratava de um escrúpulo inocente. O zelo em relação ao traje é por vezes sinal de frivolidade, e a dedicação excessiva frequentemente aniquila as melhores intenções. Catherine sabia tudo isso muito bem; pouco tempo antes, no Natal, sua tia-avó a recriminara neste tema. No entanto, ela permaneceu acordada na cama por dez minutos naquela noite de quarta-feira, tentando decidir se seria melhor usar musselina estampada ou bordada, e somente a escassez de tempo impediu-a de comprar um vestido novo para o baile. Ela incorria num erro comum de julgamento, grave porém comum, do qual poderia ser prevenida por alguém do sexo oposto (mais do que por uma mulher) ou por um irmão (mais do que por uma tia-avó), pois apenas um homem pode ter ideia de como o homem é insensível diante de um vestido novo. Muitas damas cairiam em grande mortificação se chegassem a entender o quão pouco o coração de um homem é afetado por peças dispendiosas ou novas nas vestes femininas; o quão pouco é influenciado pela textura de uma musselina, e como é impassível e incapaz de fazer distinção entre tecidos finos ou de algodão, estampados ou bordados. A mulher se veste bem para satisfazer apenas a si mesma. Nenhum homem terá mais admiração por ela, nenhuma mulher lhe dedicará mais apreço. O asseio e a elegância bastam ao primeiro, e um aspecto andrajoso ou inadequado será bastante apreciado pela segunda. Mas nenhuma destas sérias reflexões transtornou a alma de Catherine.”

Jane Austen, A abadia de Northanger. L&PM, 2011, p. 81.

O extraordinário de ler Jane Austen é constatar a agudeza e a atualidade de sua descrição do ridículo de cada criatura. Acabo imaginando-a como uma profunda estudiosa e, por isso, conhecedora da alma humana. Porém, neste caso, seria preciso acreditar que o humano possui um substrato que lhe é inerente, mesmo que metamorfoseado em função das raízes culturais. Seria acreditar que, no fundo, somos variações do mesmo e patético serzinho. Tal reflexão, no entanto, caberia mais a um filósofo que a uma profissional da História (ou das histórias). Creio que minha conclusão, ao fim, não seria melhor. Talvez, fosse ainda mais desencantada. Pois, se não somos todos iguais em nosso fundamento, então, a verdade, é que, em algumas áreas, mudamos (a não ser nos modelos do guarda-roupas) bem pouco, nos duzentos anos que nos separam da inglesinha.
Anúncios

2 thoughts on “Refletindo sobre musselinas

  1. Ana Maria 10/05/2012 / 11:30 AM

    Adorei a refexão final. Em muitos aspectos, acho mesmo que mudamos pouco nestes últimos duzentos anos.

    Gostar

Deixe uma Resposta

Please log in using one of these methods to post your comment:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s