Jane Austen como paródia de Willy Wonka

Lembra daquele garoto humilde encontrando o bilhete dourado no filme A Fantástica Fábrica de Chocolate? 

Pois alguns privilegiados moradores do Reino Unido terão a chance de viver uma experiência semelhante, caso recebam uma nota de 5 libras contendo o retrato microscópico de Jane Austen!

O responsável por esta proeza foi Graham Short, que não imaginava que a paródia de Willy Wonka poderia render cerca de R$200 mil a cada nota contendo a mini-arte estampada!

O artista teve a ideia de gravar um retrato de 5mm da autora de Orgulho & Preconceito na parte transparente da nova nota de 5 libras em homenagem ao 200º aniversário do falecimento da escritora, que está sendo celebrado neste ano.

Ele incluiu uma citação diferente em torno de cada arte, garantindo que elas sejam obras únicas.

Qualquer um que encontrar uma dessas notas deve entrar em contato com a galeria Tony Huggins-Haig, em Kelso, onde o projeto foi concebido. O dono da galeria disse à BBC que a notas podem valer dezenas de milhares de libras em um leilão.

Por que quatro notas novas de 5 libras em circulação valem R$ 200 mil cada

E para a alegria geral de Bath na Inglaterra, foi divulgada a notícia de que uma quinta nota com o microrretrato elaborado por Grahan Short será doado ao The Jane Austen Centre!

Short disse à Radio BBC de Bristol que apresentaria a nota ao The Jane Austen Centre como um presente emoldurado para marcar o 200º aniversário da morte da romancista. Ele vai voltar para Bath no dia 18 de julho com a nota que, conforme dito por ele, “será emoldurada com vidro nas costas e na frente para melhor visualização”.

A quinta nota, como as outras quatro, tem um pequeno retrato de Jane, juntamente com uma citação de um de seus romances famosos. A cédula que estará exposta no The Jane Austen Centre é do Capitão Wentworth em Persuasão, a saber: “Você trespassa a minha alma. Sou metade agonia, metade esperança.”

A Fifth Jane Austen Note Is Coming To The Centre!

 

Estereótipos literários: Austen como pioneira do chic lit?

Olá leitores!

Recordo que há alguns anos, uma amiga muito inocentemente me questionou: “Aqui, estes livros da Jane Austen que você gosta de ler, são no estilo daqueles romances de banca, certo? Tipo… Sabrina, Bárbara, Samantha?”

Confesso que naquele fatídico momento, me deu uma vontade louca de dar um murro na cara dela, mas como ela é uma amiga muito especial e devido ao carinho que dedico à nossa amizade, sorri de volta e respondi delicadamente (entre os dentes, é claro!) que ela estava redondamente enganada.

Em referência ainda, aos estereótipos literários que as pessoas insistem em conferir à obra de Austen, o blog Baiana da Baviera trouxe um artigo interessante, o qual recomendamos a leitura e reflexão. O título da referida publicação já é instigante:

Jane Austen: mãe do chic lit?

O conteúdo explora que, apesar das obras austenianas agradarem predominantemente o universo feminino – assim como a maior parte do estilo chic lit o faz -, ainda assim seus livros se destacam por abordar temas delicados àquela época, como a negligência aos direitos civis das mulheres, a falta de poder de escolha feminina quanto aos relacionamentos amorosos, choques nos encontros entre classes, escândalos familiares, entre outros tópicos relevantes que versam as tramas construídas por Austen.

Particularmente, creio que Austen não deve ser classificada num gênero chic lit. Longe de ser um preconceito ao estilo ou não observância da suposição de que ela pudesse desejar sua obra emergindo um alcance popular à época. Acima disso, me valho da plena convicção de que Austen sempre quis dizer muito mais em seus contextos imaginários do que insistem em reparar, a maior parte daqueles que adoram esteriotipar sua obra. Austen caprichava nos diálogos, lançava mão de uma linguagem clara e clássica e ironizava como nenhum outro escritor fora capaz de fazer até hoje.

Jane Austen é sim um cânone literário, ao passo que o chic lit volta sua ambição à prateleira comercializável e não à moldura clássica.

Sorry chic lit, mas em Austen, você é apenas uma referência e não um enquadramento.

Jane Sorridente

Marcelle Vieira Salles

Curta Animação – Elizabeth Bennett

Olá pessoal!

Meu nome é Marcelle Vieira Salles e vocês me verão constantemente por aqui, publicando e comentando notícias sobre o universo austeniano nos próximos meses.  Sou uma entusiasta da obra de Austen e está sendo um grande prazer fazer parte deste excelente projeto! 🙂

Para iniciar a nossa jornada, gostaria de compartilhar com vocês um vídeo sensacional que foi nos enviado recentemente.

Richard Wylde, juntamente com a equipe de vídeo Penguin Random House idealizou um curta de animação stop-motion em homenagem à Elizabeth Bennet de Orgulho & Preconceito!

O curta ficou muito fofo, super criativo e com comentários divertidos acerca da saga extraordinária de Lizzie Bennet! A animação faz parte de uma série de vídeos denominada Kick-a ** Characters, que são odes aos seus personagens favoritos na literatura. Importante ressaltar que são apenas 2 minutos de vídeo e, portanto, não foi possível explorar todos os pontos da trama de Orgulho & Preconceito, mas creio que foi uma síntese muito peculiar desta apaixonante obra!

Aqui está o vídeo:

Até a próxima!

Bjs,

Marcelle 🙂

#prideandprejudice

#orgulho&preconceito

#elizabethbennet

#kicka**characters