O Mistério dos Diários Varonis – análises sobre os livros de Amanda Grange

Esse texto maravilhoso da Luciana Darce foi escrito e publicado originalmente no blog Coruja em Teto de Zinco Quente!

Participei essa semana de uma segunda live no canal do Jane Austen Brasil no Instagram (sobre a primeira vocês podem ler/ver aqui), tendo sido convidada a falar um pouco da série de diários dos heróis austenianos escrita por Amanda Grange. Alguns anos atrás, resenhei todos os seis volumes (vou deixar o link para as resenhas no final desse post, bem como o vídeo da live da vez) e, desde então, a Grange publicou alguns outros títulos, várias releituras de Orgulho e Preconceito incluindo aí o diário de Wickham e uma versão em que Mr. Darcy é um vampiro.

Em uma entrevista que encontrei no AustenBlog, Grange diz que a ideia para escrever Mr. Darcy’s Diary – publicado originalmente em 2005 e o único dos títulos que chegou a sair aqui no Brasil – veio de uma de suas releituras do romance original e reflexões sobre como a história não tinha perdido sua atualidade em duzentos anos, faltando apenas pontos de vista alternativos ao da heroína. Não havia planos para escrever uma série, mas a coisa acabou acontecendo; afinal, ela basicamente acertou um filão de ouro quando se lançou nessa aventura. Praticamente todo leitor de Austen quer mais livros (não contando a Juvenilia e os contos inacabados, são só seis romances) e certamente adoraria ver “o outro lado da moeda” das narrativas.

Grange já publicara alguns romances passados nos tempos da regência, tinha já alguma pesquisa e conhecimento de contexto histórico, que foi utilizado para criar a história de fundo dos heróis, nem sempre presente nos originais. A narrativa tem uma linguagem convincente – você consegue ‘ouvir’ a voz dos personagens, acreditar que está às voltas com um diário escrito naquele período – e há uma boa continuidade com os originais. Pesquisando para a apresentação, vi que algumas pessoas reclamaram que não era muito crível uma pessoa escrever entradas no diário relembrando e esmiuçando cada diálogo que teve ao longo do dia. Contudo, quem já leu algum livro de fato escrito na época e nesse mesmo formato, reconhecerá o formato como característico: Evelina e Pamela estão aí para prová-lo. Podemos até estranhar, mas não é algo que está distante da forma como se escrevia no período em que a própria Austen viveu.

Antes de adentrar o mérito dos livros, tenho algumas notas rápidas a fazer. Eu imagino que se eu sair perguntando por aí hoje que tipo de pessoa mantém diários hoje em dia, são grandes as chances que a maioria responda “adolescentes”. Há exceções (olá, rainha Elizabeth), mas por uma ou outra razão, quer seja tempo, quer seja a necessidade de encontrar formas de se expressar, a adolescência nos parece a época certa para manter um diário. Minha hipotética pesquisa também chegaria à provável conclusão que a esmagadora maioria dos possuidores de diários são do sexo feminino. Pessoalmente, quando me falam de diários, o primeiro nome que me vem à cabeça é Anne Frank, e talvez isso tenha a ver com essa imagem estereotipada de mocinha escrevendo diário que persiste por aí.

É curioso que em suas origens, os diários estão bem longe do estereótipo moderno que temos: talvez o mais antigo exemplo do gênero na cultura ocidental são as meditações do imperador romano Marco Aurélio (aquele mesmo do filme O Gladiador). Viajantes e filósofos orientais, como Lio Ao na China do século IX e Ahmed Ibn Banna, de Marrocos no século XI também deixaram seus diários para a posteridade. No período medieval, muitos doutores teólogos mantinham diários para registrar seus pensamentos e experiências espirituais – as Confissões de Santo Agostinho fazem essa mesma linha, sendo considerada a primeira autobiografia escrita no Ocidente.

Talvez a essa altura seja bom lembrar que papel não era uma coisa tão barata ou fácil de conseguir – podemos apontar a própria Austen como exemplo dessa realidade; quem viu uma página escrita por ela sabe que ela não desperdiçava um espaço em branco, escrevendo até entre linhas, primeiro numa direção do papel, depois na outra. Assim é que ter papel para escrever aleatoriedades sobre sua própria vida é coisa de quem tinha tempo, dinheiro… ou era, por ofício, escritor.

Entre os séculos XVIII e XIX que os níveis de alfabetização aumentaram, o custo do papel caiu e os diários começaram a se popularizar. Inclusive, muita gente publicou seus diários pessoais, que se tornaram importantes documentos históricos para entender a sociedade de antanho.

É mais ou menos por essa época que se passam os romances de Austen. Historicamente, portanto, não é estranho que nossos heróis mantenham diários. Dos seis protagonistas trazidos por Amanda Grange, temos três homens de posses, donos de terras (Darcy, Brandon e Knightley), dois filhos de famílias ricas, encaminhados como clérigos (Bertram e Tilney) e um capitão da marinha que, por sua função, certamente mantinha um diário do dia-a-dia no navio (Wentworth). Eles têm a educação para valorizar a ideia de um diário; o patrimônio para justificar tal tipo de despesa e, com exceção do Wentworth que de fato tem de fazer sua própria fortuna, todos possuem o tempo para desenvolver aquele ócio criativo de que ouvimos falar.

É por essa razão que o título dessa palestra é “o mistério dos diários varonis” (ok, não, a razão principal é que estava revendo a série Sherlock quando a Dri me pediu um título para a apresentação). Escrever diários é uma atividade reflexiva, que demanda tempo, em que o escritor do diário investe muito de si. Isso não parece combinar com a figura do Herói – decidido, ativo, senhor de si – e nossas noções sobre masculinidade. Um diário é, supostamente, um retrato da face mais íntima de seu autor, de suas dúvidas e questionamentos. Escrever um diário te coloca numa posição de vulnerabilidade – independente de você sair ou não confessando todos os seus segredos para o papel. Então, que a Grange tenha escolhido dar voz aos heróis austenianos pelo recurso de diários pode parecer um mistério à primeira vista, mas não é.

Para além das questões práticas, os padrões de masculinidade da época são diferentes; estamos quase que no início da Era Romântica e do grande advento da classe burguesa – há uma valorização da educação, urbanidade, sofisticação e sentimentalismo. O que estou tentando explicar dando tantas voltas é que no contexto da época e do caráter dos personagens, que todos eles mantenham diários faz sentido. Que eles revelem suas dúvidas, o coração por baixo da casaca, também. Os heróis da Austen são sólidos, generosos e, sim, permitem-se ser vulneráveis – cada uma das declarações que eles fazem demonstram isso – e talvez por isso mesmo eles sejam tão fascinantes. Foi por entender isso que Amanda Grange conseguiu fazer sua série funcionar tão bem.

Pessoalmente, uma das coisas que mais valorizo num romance – o que faz com que eu realmente me encante com uma história – é a capacidade que os personagens têm de impactar o senso de identidade do outro. Não é a ideia do “você me completa” ou coisa parecida, mas sim de que “eu sou a melhor versão de mim mesmo quando estou ao seu lado”. Através do relacionamento – e não digo apenas amoroso – o personagem amadurece, sua forma de ver o mundo cresce. Austen sabe utilizar essa mecânica muito bem, praticamente todos os seus protagonistas fazem essa jornada.

Orgulho e Preconceito é um ótimo exemplo disso. Lizzie ganha um melhor entendimento de si mesma por influência de Mr. Darcy; e o mesmo acontece a ele; a versão da Grange para esse processo é excelente, gosto muito de ver Darcy ir da indignação com o não da moça para a compreensão de sua própria arrogância e seus erros. O Diário de Mr. Darcy é, ironicamente, o único da série que não resenhei previamente, mas fica aqui meu selo de aprovação. No entanto, devo complementar dizendo que a trilogia Fitzwilliam Darcy, Gentleman da Pamela Aidan é a melhor releitura não apenas do Darcy, mas de todas as releituras dos romances austenianos que já li.

Meus favoritos da Grange são os diários de Mr. Knightley, Henry Tilney e Edmund Bertram. Destaco particularmente o do Bertram, que me fez ter uma visão bem mais favorável do herói de Mansfield Park, mudou algumas coisas da minha interpretação. Por outro lado, tive algumas ressalvas a fazer para a versão da história do Capitão Wentworth e do Coronel Brandon. Minha impressão nesses dois é que, quanto mais a Grange se distancia do material original – no caso, a criação de um passado, um inteiro background que é apenas delineado por Austen – mais complicado se torna manter a autenticidade da voz dos personagens. Não é impossível fazê-lo: Susan Kaye conseguiu me convencer na voz do capitão em sua duologia. Grange, contudo, consegue recapturar a atenção quando os eventos de ambos os diários alcançam o início de Persuasão e Razão e Sensibilidade, respectivamente.

Não me estenderei muito mais, porque acho que já escrevi aqui mais do que falei na live (e eu falei muito…) e vocês podem ir direto para as resenhas de cada livro para saber sobre cada um individualmente. Mas vamos à conclusão ou passarei o dia aqui…

Leitores puritanos de Austen podem torcer o nariz para essas releituras. Por um lado, concordo com o ponto de vista que ler Austen apenas para suspirar pelos cantos em razão do romantismo é desperdiçar a profundidade, a elegância, o rico comentário social, a genialidade imbuída em cada uma dessas narrativas. Por outro, não existem leituras erradas e ninguém tem de se meter e julgar o que as pessoas querem ler. E às vezes, de verdade, o que precisamos é de uma dose de açúcar direto na veia.

Grange responde a essa necessidade. Ela não tem aqui nenhuma pretensão mais ambiciosa que brindar o leitor com uma narrativa leve, divertida, apaixonante. Você não precisa mergulhar de cabeça no contexto histórico-social-político-e-o-que-mais-vier-pela-frente para desfrutar dessas leituras. Livros podem ser um refúgio, um lugar de conforto, um escape da realidade. Considerando o que temos acompanhado nas notícias nos últimos tempos, escapar para Pemberley me parece bem oportuno.

Termino hoje lembrando que, num dos ensaios de seu Sobre Histórias, C. S. Lewis parafraseia Tolkien para dizer que as pessoas mais preocupadas com a ideia de fuga, e mais hostis a ela, são os carcereiros. Então lembrem-se disso quando alguém disser que seu gosto literário é um escape da realidade. E leia o que te der na telha.

Série Jane Austen Heroes, por Amanda Grange
Mr. Knightley’s Diary
Captain Wentworth’s Diary
Edmund Bertram’s Diary
Colonel Brandon’s Diary
Henry Tilney’s Diary

Visualizar(abrir em uma nova aba)

Trilogia Fitzwilliam Darcy, Gentleman, por Pamela Aidan
An Assembly Such as This
Duty and Desire
These Three Remain

Duologia Frederick Wentworth, Captain, por Susan Kaye
None But You
For You Alone

Live 20 – O Mistério dos Diários Varonis

Nossa próxima live, dia 13 de maio às 20:00, será com a Luciana Darce! As lives acontecem sempre no nosso perfil @janeaustenbrasil no Instagram. Luciana fará um passeio pelos diários dos personagens masculinos de Jane Austen! Inclusive, a Luciana já fez resenhas desses livros aqui no blog, confira!

Luciana Darce é autora do blog Coruja em Teto de Zinco Quente, leitora desde que se entende por gente, gosta de fazer conexões inusitadas entre seus assuntos literários favoritos e caçar referências obscuras por aí. Mantém o blog Coruja em Teto de Zinco Quente desde 2009 e é mediadora do Clube do Livro de Bolso, que discute clássicos de vários gêneros (tendo nascido para falar de Austen) desde 2010.

Live 4 – Jane Austen, personagens flutuantes e senso de comunidade

Nossa quarta #janeaustenlives será com a Luciana Darce, figurinha carimbada aqui neste blog e já que escreveu inúmeros posts e resenhas para nós! A nossa #live será quinta dia 09 de abril às 19:00 (horário de Brasília), basta seguir nossa página no Instagram! Vamos falar sobre Austen e seus personagens e, principalmente, sobre as leituras e clubes de leitura! Sejam todos bem vindos!

Luciana Darce é autora do blog Coruja em Teto de Zinco Quente, leitora desde que se entende por gente, gosta de fazer conexões inusitadas entre seus assuntos literários favoritos e caçar referências obscuras por aí. Mantém o blog Coruja em Teto de Zinco Quente desde 2009 e é mediadora do Clube do Livro de Bolso, que discute clássicos de vários gêneros (tendo nascido para falar de Austen) desde 2010.

Gazeta de Longbourn Apresenta: Among the Janeites

Se você não é um Janeite, nada poderia explicar isso – o fantasiar-se, as repetidas sessões da cena da camisa molhada, as discussões intermináveis sobre os feitos de pessoas que não são reais. Se você é um Janeite, isso dificilmente precisa de explicação. O que poderia ser mais fascinante que tudo isso?

Esse livro é meio que um relato parte autobiografia, parte investigação jornalística sobre o mundo dos fãs de Jane Austen. Yaffe começa falando sobre sua própria descoberta da autora, ainda adolescente; sobre sua primeira experiência encontrando outros aficionados, sua primeira participação num dos encontros anuais da Jane Austen Society of North America, descobrindo-se parte de uma comunidade que se estende por praticamente todo o globo.

Ela mergulha nesse mundo com pessoas que mais que ler, decidem vestir os figurinos da época; viaja numa excursão pela Inglaterra de Austen; entrevista autores de fanfics que terminaram por publicar suas continuações da história bem como professores e catedráticos; aprende a dançar à moda do período regencial… descobre uma inteira subcultura que tanto floresce entre os muros da Academia quanto alcança status de ícone pop.

Ao mesmo tempo em que revela histórias de pessoas que se encontraram ou encontraram um propósito no mundo escrito por Austen – a ex-enfermeira que preside um clube de biblioterapia, em que os membros lêem os livros e encontram personagens que conseguem superar obstáculos parecidos com os seus; o advogado obcecado com as conexões e histórias sombrias que enxerga nos romances de costume vividos em tranqüilos mundos rurais; a escritora de fanfics que consegue escapar de um casamento abusivo – ela se enrola em suas pesquisas, lendo mash-ups, vasculhando a internet atrás de corseletes para usar com seu vestido de época no baile do encontro que comemorará o bicentenário de Razão e Sensibilidade e colecionando histórias que parecem saídas das páginas… bem, das páginas de um romance.

“Eu não gosto de Fanny Price. Ela é muito parecida comigo. Ela é entediante.”

Essa é a pessoa com quem vou me casar, George pensou. Fanny Prince não é entediante. Fanny Price é o epítome da integridade, convicção, brilho, pureza. Casar com Fanny Price? O que poderia ser melhor?

Ele é um fofo, Devoney pensou. Ela considerou a gravata borboleta. Eu espero que ele não seja gay.

Ela é… um pouquinho esnobe em certas tiradas – eu não pude deixar de sentir que ela meio que desdenha de fãs que começaram a partir das séries e estão mais preocupadas em suspirar pelos atores que debater a sério – mas embora às vezes eu ficasse um pouco de pé atrás com o preconceito que aparecia de leve, tenho de dizer que no todo, é um livro bem interessante.

Eu me reconheci e reconheci vários amigos em muitas das pessoas que ela nos apresenta nas páginas do livro, em também em muitas das situações que ela descreve. Há certas situações que parecem absurdas, mas, bem, cada um tem direito à sua interpretação, não é verdade?

E essa é uma das principais conclusões a que Yaffe chega ao final do seu livro: cada um de nós enxerga sua própria Jane Austen, tem uma forma de interpretá-la. Todo mundo pode encontrar em sua obra algo que ressoa em sua própria vida – valores que admira, personagens que se assemelham a pessoas da vida real, códigos secretos… mas o importante é que, independente de tudo o mais, essa é uma paixão que une pessoas, capaz de transformar vidas, de criar um senso de comunidade que passa por cima de diferenças de idade, gênero, crença.

Isso, enfim, que faz de nós, janeites.

Gazeta de Longbourn Apresenta: Para Celebrar Jane Austen

Os textos críticos reunidos neste livro são resultado de uma pesquisa financiada pelo CNPQ, através de bolsa de produtividade em pesquisa.

Os textos abordam questões fundamentais dos romances de Jane Austen, publicados entre 1811 e 1818, como a relevância das protagonistas-mulheres e a necessidade de tornar seus anseios e suas subjetividades visíveis, bem como o uso inovador que Austen faz dos recursos metalinguísticos e metaficcionais, a exemplo da paródia.

A discussão também aproveita a relação contemporânea entre Austen e a adaptação audiovisual, sobretudo aquela realizada pelo cinema.

As frequentes adaptações de romances da autora atestam a atualidade das questões que ela aborda, a exemplo do autocontrole da emoção, da necessidade do discernimento crítico, mas também de experiências, ainda que sutilmente expressas, ligadas à sexualidade, ao erotismo; também de questões mais amplamente políticas, como a crítica ferrenha à hipocrisia e ao imperialismo da sociedade inglesa pré-vitoriana.

Acho que descobri esse livro por um comentário feito pela Lílian, da JASBRA/PB na comunidade da Jane Austen pelo Facebook ou em alguma conversa em algum dos encontros da sociedade. Fiquei curiosa (obviamente), pois não apenas se tratava de um livro de crítica e análise literária – gênero de que gosto muito – como também era uma produção nacional.

Demorei um pouco para consegui-lo, porque quando tentei comprá-lo pela primeira vez, ele já tinha se esgotado. Esperei um tempo, e fui procurá-lo de novo – não me lembrava exatamente o site em que ele estava sendo vendido, de forma que joguei no Google e aí descobri que ele estava disponível pela Livraria Cultura. Uma vez que pedindo pela livraria, eu podia solicitar a entrega na loja e assim escapar do frete, encomendei-o. Demorou quase um mês para ele chegar, mas foi uma espera que valeu à pena.

O livro é uma coletânea de artigos focados especialmente em Orgulho e Preconceito, A Abadia de Northanger e Mansfield Park, incluindo excelentes análises acerca do papel feminino nas obras, o uso de recursos metalinguísticos, e entre os livros e as adaptações que foram feitas dos mesmos.

Em alguns pontos, é um livro mais técnico do que outros volumes de crítica sobre a Austen que já li – o que faz sentido, visto que são artigos científicos, produzidos por uma pesquisa financiada pelo CNPq. Mas o texto é suficientemente claro para ser compreensível mesmo para aqueles que não conhecem as teorias literárias e citações da autora.

Encontrei algumas das minhas próprias interpretações sobre certos eventos do romance com maiores argumentos e muito bem destrinchados e descobri outros pontos de vista em que não tinha pensado antes. Curiosamente, ao terminar o livro, senti uma enorme vontade de rever Palácio das Ilusões e reler Mansfield Park à luz das considerações feitas pela autora.

A única reclamação que tenho a fazer de Para Celebrar Jane Austen é que ele é um livro pequeno. São pouco mais de cem páginas, mas são cem páginas de dar água na boca. Um excelente volume de referência, sem dúvida alguma.

Gazeta de Longbourn Apresenta: Sense & Sensibility

She drank deep, you could see that; she squeezed every drop of living out of all the elements that mattered to her. It made her careless, of course it did, but it was a wonderfully rich and rapt way to be.

Descobri esse livro em alguma das newsletters de editoras que assino – e lembro de ter visto também alguns artigos sobre a idéia por trás da coleção de que ele faz parte. Coloquei-o na lista sempre crescente de volumes a ler futuramente e não pensei muito mais nele até a Terry vir para o Brasil, e trazê-lo na mala para mim.

Eu gostei da forma como Joanna Trollope adaptou a idéia de Razão e Sensibilidade para os tempos modernos, a forma como ela encaixou especialmente a questão de comunicação – celulares, redes sociais, escândalos filmados e postados no youtube… E, considerando que a situação feminina de hoje é diferente daquela à época, os problemas financeiros das mulheres Dashwood tinham de ocorrer de alguma forma diferente, o que ela também conseguiu fazer.

Infelizmente as (necessárias) mudanças acabam por transformar as mulheres da família. Onde antes eu admirava a calma dignidade de Mrs. Dashwood, não posso deixar agora de ver uma mulher infantilizada; a sede de conhecimento e o desejo de explorar o mundo de Margaret a fizeram uma adolescente revoltada do tipo que dá de ombros para tudo, não sobrevive sem celular e vive com fones enfiados no ouvido e Marianne, que a despeito de tudo, respeitava a sensibilidade das pessoas de sua própria família agora é um poço de egoísmo sem qualquer qualidade que a redima.

Só Elinor, prática, cheia de bom senso, preocupada com as contas, os gastos, tentando manter a família unida e abrindo mão de tudo aquilo que a fazia feliz por pessoas que não conseguem enxergar o sacrifício que ela fez por elas, é que continua a mesma de sempre – ou talvez, diante de tudo o que acontece, ainda melhor.

Margaret e Marianne evoluem ao longo do livro, mas Mrs. Dashwood parece, sinceramente, incapaz de crescer. Ela foi a personagem de que menos gostei na história – e a se considerar que você tem uma Fanny Dashwood e uma Lucy Steele para odiar, isso é algo perturbador.

Em compensação, eu ri de me acabar com a forma que ela achou para lidar com Robert Ferrars e seu bizarro casamento com Lucy Steele.

Willoughby continua um canalha, com um passado bem mais pesado. Na história original, mesmo sabendo o que ele apronta, ele consegue nos passar seu charme e muita gente torce por ele – na versão de Trollope, não há um único momento em que você olhe para ele e realmente o ache agradável. Brandon é… Brandon é o salvador da pátria, em mais aspectos do que se poderia imaginar – incluindo o fato de que é ele que consegue o emprego na empresa de arquitetura para Elinor, a despeito de ela ter sido obrigada a largar a faculdade com a mudança da família, emprego que permitirá pagar as contas da família. Edward… eu confesso que gostei mais do Edward dessa versão do que o original, que para mim era meio indiferente.

A despeito disso, o livro funciona bem como uma adaptação da história de Austen para os tempos modernos. Os próximos volumes do The Austen Project são uma releitura de A Abadia de Northanger, cujo autor responsável é um bestseller de romances policiais e Orgulho e Preconceito, ambos com publicação para 2014. Vamos ver o que vem por aí…

Gazeta de Longbourn Apresenta: Henry Tilney’s Diary

A good turnout at church today. It had nothing to do with the mild weather and a desire to gossip and everything to do with my oratory skills, I am perfectly convinced. Indeed, if not for Mrs Attwood’s new bonnet, I would have had the ladies’ undivided attention. The gentlemen I was more certain of. They had no interest in bonnets, new or otherwise, and listened in pleasing silence, broken only by an occasional snore.

Dos heróis autenianos, o diário de Mr. Tilney era o único que faltava para eu fechar a série que a Amanda Grange escreveu. Demorei um pouco para colocar as mãos nele – o que é curioso, considerando que Tilney é, depois do Capitão, o meu particular favorito (e devo dizer que, na vida real, preferia um Tilney a um Wentworth, mas deixemos isso quieto, não é mesmo?) – mas enfim consegui.

Como todo mundo já deve ter adivinhado… Henry Tilney’s Diary contra a história de A Abadia de Northanger sob o ponto de vista do herói. E, devo dizer, de todos os diários da Grange que li até aqui… é o que faz melhor essa mudança.

Henry Tilney’s Diary é uma delícia de ler. Talvez pelo fato de que o próprio Tilney é mais leve dos heróis, talvez pelo humor que permeia A Abadia de Northanger, o fato é que toda a narrativa é fluida, gostosa, divertida. Do começo ao fim, eu fiquei sorrindo feito uma boba.

O melhor dele, aliás, é a forma como a família Tilney é apresentada desde antes da morte de Mrs. Tilney. É interessante ver a forma como o General se preocupa e cuida de tudo; ver Eleanor como uma criança empolgada, enxergar por trás da carapaça de sedutor de Frederick.

Simpatizei bem mais com esses personagens diante da apresentação que se faz deles – e da forma como eles mudam com a morte de Mrs. Tilney. Achei absolutamente adorável a relação de Eleanor e Henry, lendo um para o outro. Gostei da forma como Eleanor se apaixona e até mesmo Frederick se redimiu aos meus olhos. Curiosamente, o general me deu foi pena em vez de raiva.

O desenvolvimento da relação entre Henry e Catherine também está de parabéns. Quando li A Abadia de Northanger pela primeira vez, um dos pontos que questionei – acho inclusive que o fiz no debate do clube do livro – foi que não entendia completamente como Henry se apaixonara pela avoada Miss Morland. Mas a Grange fez um ótimo trabalho nesse aspecto e eu parei de me questionar tanto sobre a futura felicidade do casal.

Enfim, uma excelente segunda versão da história original, que respeita não apenas os personagens como também o espírito da obra. Grange foi perfeita na evocação da voz de Henry Tilney e está em sua melhor forma nesse livro. Divertido, descontraído, adorável – quem gosta de A Abadia de Northanger certamente vai se encantar com esse aqui.

Clube do Livro em Recife: Mansfield Park

O Clube do Livro de Bolso e a JASBRA/PE estão com data marcada para um novo debate de Mansfield Park. Dia 30 de agosto, a partir das 15h na Saraiva do Shopping Recife – os detalhes também estão disponíveis no site da Saraiva Conteúdo e na página do grupo no Facebook
Vejo vocês por lá!

Gazeta de Longbourn Apresenta: A Fórmula do Amor

Procuramos nossos amigos para ter conforto em relação às partes da nossa vida nas quais temos que “trabalhar” – nossos trabalhos e nossos relacionamentos com homens. Os amigos estão lá quando saímos do tumulto da vida e paramos no acostamento, quando fazemos a análise no fim do jogo. Dividimos nossos pensamentos e sentimentos com eles, ou, talvez, com nossa mãe ou irmã. No entanto, depois que saímos da faculdade e daqueles pequenos apartamentos que dividíamos na época do primeiro emprego, com frequência, deixamos de dividir nossa vida com outras pessoas além de um homem. O que significa que estamos tentando administrar nosso relacionamento sem o tipo de prática em relacionamentos em geral que as heroínas de Jane Austen têm.

Eu estava na Cultura com o Duda – provavelmente era uma sexta-feira, porque sextas são dia de almoçar com Duda, visitar livraria e tomar sorvete – quando me deparei com esse título numa das estantes. Já tinha visto a Adriana fazendo comentários sobre o livro e já o tinha anotado para futuras aparições aqui nessa coluna, de forma que o enfiei debaixo do braço e segui para o caixa.

Nenhuma surpresa com o fato de que sou uma compradora impulsiva e compulsiva de livros, certo? Certo.

Vou confessar que quando comecei a ler A Fórmula do Amor, logo aos primeiros capítulos, quase larguei o livro de lado. Não sou uma grande fã de autoajuda e o volume tem um pezinho no gênero, especialmente em suas sessões Segredo de Jane Austen.

Mas decidi persistir. A autora é formada em filosofia e seus insights dos personagens austenianos e da questão dos relacionamentos no mundo moderno à vista da obra de Jane são muito interessantes. Há muito do que ela escreve com que concordo, algumas interpretações que ela faz parecidas com as minhas, só que descritas com uma profundidade maior. E não falo aqui apenas de interpretações dos livros, mas também de relações humanas.

Não gosto de autoajuda porque não acho que assertivas genéricas sobre o sucesso alheio funcionem. Não sou contra conselhos, sou contra ser aconselhado por pessoas que não te conhecem e que apenas reproduzem platitudes sem se preocupar em pensar nas particularidades do caso concreto. Especialmente em questões amorosas.

E, para ser sincera, também não gosto de ninguém se metendo na minha vida, mas não vamos nos preocupar com isso agora.

A despeito disso, concordei com muito do que foi posto pela autora, em especial sobre as diferenças entre amor e Amor Romântico; sobre felicidade como equilíbrio; sobre a forma como certas pessoas acabam por se acomodar àquilo que é mais fácil e ficam com uma pessoa mesmo sabendo que aquela relação não tem futuro, apenas preparando o terreno para futuros corações partidos.

Falta-me, contudo, para conseguir me identificar de fato com a proposta do livro, aspirar a ser uma heroína (olá, Catherine) – ou, pelo menos, aspirar a ser uma heroína à espera do seu Mr. Darcy ou Mr. Knightley. A despeito de todas essas diferenças, A Fórmula do Amor é um livro interessante, que me chamou a atenção pela forma como interpreta uma série de questões austenianas.

Gazeta de Longbourn Apresenta: As Memórias Perdidas de Jane Austen

Concluí que era melhor ser considerada solteirona sem história de amor do que uma figura trágica, insensata. Que ousara amar alguém acima de sua posição, e perdera.

Meu muito querido tio Fafa me deu esse livro de presente pouco depois da publicação. Demorei um pouco para ler, considerando meu atual cronograma de leituras austenianas para essa coluna, mas finalmente estamos aqui.

As Memórias Perdidas de Jane Austen começa revelando que alguns papéis foram encontrados durante uma renovação em Chawton, a casa em que Jane Austen viveu por último antes de morrer – papéis esses que seriam uma espécie de diário da autora (o que me lembrou um pouco a série que a transforma em detetive, escrita por Stephanie Barron).

Esse diário conta a história do grande romance que Austen teria vivido pouco antes de se mudar definitivamente para Chawton. A premissa parte de afirmações feitas em cartas de familiares da autora, de que Austen teria se apaixonado por um cavalheiro à época, um clérigo, mas que ele teria morrido antes que qualquer coisa pudesse acontecer.

Só que esse comentário (e importante observar que isso não é uma invenção da ficção do presente romance, mas algo real) esconderia uma outra relação, intensa e passional com Mr. Frederick Ashford, herdeiro e filho de um baronete, que ela teria conhecido num passeio a Lyme, numa situação muito parecida com aquela de Persuasão.

Aliás, para o leitor habitual de Austen, o livro é um prato cheio de referências às obras da autora – sua corte com Ashford e as diversas situações retratadas no livro servem de inspiração especialmente para Razão e Sensibilidade e Orgulho e Preconceito, que estavam sendo revisados e às vezes quase completamente reescritos à época.

Sendo bastante sincera, a despeito das situações que se refletem das obras originais pra cá, não acho que As Memórias Perdidas de Jane Austen tenha o mesmo estilo, a mesma genialidade de escrita de Austen. E nem é esse seu propósito. Mas se não existe a sutileza irônica original, há um romance bem desenvolvido e açucarado.

Eu tive um certo problema em acreditar em Mr. Ashford, porque ele me parece perfeito demais, talhado sob medida para Jane, mas dentro da proposta do livro, ele funciona – ele está ali, afinal, para ser o ideal romântico por trás dos grandes heróis criados por Austen. De uma forma geral, As Memórias Perdidas de Jane Austen é um bom divertimento ‘sessão da tarde’, que rende suspiros e sorrisos e, ao final, nos deixa um tantinho melancólicos.