Projeto de Leitura Coletiva no Espírito Santo

A Elizabete Finco me enviou um e-mail informando sobre um projeto que estão realizando no Espírito Santo: Projeto Leitura Coletiva! O objetivo do grupo é  incentivar leitura entre os capixabas.

reading

SEGUE RELATO DA ELIZABETE:

através do blog clube do farol (www.clubedofarol.com) e do projeto amigo livro es (https://www.facebook.com/amigolivroes/), elaboramos o projeto de um encontro presencial temático de: romances histórico, época e contemporâneo. como a editora pedrazul é capixaba e nos enviou alguns livros para o evento, achamos por bem fazer uma leitura coletiva. como um dos livros enviados foi o “o diário de mr. darcy”, eu através do meu blog clube do farol comecei o projeto dessa leitura incluindo orgulho e preconceito e após essa o diário. segue em anexo o cronograma o projeto e algumas informações.

Abaixo SEGUE O ANÚNCIO E DETALHES DO PROJETO:

orgulho e preconceito tem inspirado um grande número de sequências nos dias de hoje, mas o diário de mr. darcy é a mais bem-sucedida das que incidem sobre o rico e orgulhoso cavalheiro. então, como faremos um chá literário em maio o clube do farol, em parceria com o amigo livro, traz a vocês o projeto de leituras coletivas!
serão dois livros onde entraremos no mundo de jane austen começando com uma releitura de seu clássico personagem e continuando com a obra da própria austen.
o projeto “chá literário” está sendo planejado com muito amor e carinho, para todos os tipos de leitores e/ou apreciadores das obras de jane austen, sejam os iniciantes ou os veteranos. será ótimo contar com a companhia de todos nos próximos dois meses!
organização:

blog: clube do farol
redes sociais:

https://www.facebook.com/clubedofarol

https://www.instagram.com/clubedofarol/

hashtags #chaliterario #somostodospedrazul #mrdarcy #janeausten #clubedofarol

CRONOGRAMA PREVISTO:

LEITURA DE “ORGULHO E PRECONCEITO”

 sinopse: orgulho e preconceito é uma comédia de costumes em que jane austen mostra os perigos do julgamento à primeira vista e evoca as amizades, fofocas e vaidades da classe média provinciana.

19/03 a 24/03 – leitura do capítulo 1 ao capítulo 12
25/03 – primeiro debate
26/03 a 31/03 – leitura do capitulo 13 ao capítulo 25 01/04 – segundo debate
02/04 a 07/04 – leitura do capítulo 26 ao capítulo 38
08/04 – terceiro debate 09/04 a 14/04 – leitura do capítulo 39 ao capítulo 51 15/04 – quarto debate
16/04 a 21/04 – leitura do capítulo 52 ao capítulo 61
22/04 – debate de encerramento

LEITURA DE “O DIÁRIO DE MR. DARCY”

sinopse: o único lugar em que mr. darcy poderia compartilhar seus sentimentos mais íntimos era nas páginas do seu diário. o diário de mr. darcy, portanto, apresenta a história do improvável namoro entre elizabeth bennet e fitzwilliam darcy do ponto de vista dele. esta graciosa continuação de orgulho e preconceito, de jane austen, enfoca os conflitos do cavalheiro e as dificuldades do seu relutante relacionamento, da rejeição inicial à luta desesperada para conquistar o coração de elizabeth.
primeiro debate

23/04 a 28/04 – leitura do capítulo i ao capítulo v
29/04 – primeiro debate
30/04 a 05/05 – leitura do capítulo vi ao capítulo xiii
06/05 – segundo debate
07/05 a 11/05 – leitura do capítulo xiv ao capítulo xviii
encerramento
12/05 – encerramento no amigo livro

Anúncios

Gazeta de Longbourn Apresenta: Henry Tilney’s Diary

A good turnout at church today. It had nothing to do with the mild weather and a desire to gossip and everything to do with my oratory skills, I am perfectly convinced. Indeed, if not for Mrs Attwood’s new bonnet, I would have had the ladies’ undivided attention. The gentlemen I was more certain of. They had no interest in bonnets, new or otherwise, and listened in pleasing silence, broken only by an occasional snore.

Dos heróis autenianos, o diário de Mr. Tilney era o único que faltava para eu fechar a série que a Amanda Grange escreveu. Demorei um pouco para colocar as mãos nele – o que é curioso, considerando que Tilney é, depois do Capitão, o meu particular favorito (e devo dizer que, na vida real, preferia um Tilney a um Wentworth, mas deixemos isso quieto, não é mesmo?) – mas enfim consegui.

Como todo mundo já deve ter adivinhado… Henry Tilney’s Diary contra a história de A Abadia de Northanger sob o ponto de vista do herói. E, devo dizer, de todos os diários da Grange que li até aqui… é o que faz melhor essa mudança.

Henry Tilney’s Diary é uma delícia de ler. Talvez pelo fato de que o próprio Tilney é mais leve dos heróis, talvez pelo humor que permeia A Abadia de Northanger, o fato é que toda a narrativa é fluida, gostosa, divertida. Do começo ao fim, eu fiquei sorrindo feito uma boba.

O melhor dele, aliás, é a forma como a família Tilney é apresentada desde antes da morte de Mrs. Tilney. É interessante ver a forma como o General se preocupa e cuida de tudo; ver Eleanor como uma criança empolgada, enxergar por trás da carapaça de sedutor de Frederick.

Simpatizei bem mais com esses personagens diante da apresentação que se faz deles – e da forma como eles mudam com a morte de Mrs. Tilney. Achei absolutamente adorável a relação de Eleanor e Henry, lendo um para o outro. Gostei da forma como Eleanor se apaixona e até mesmo Frederick se redimiu aos meus olhos. Curiosamente, o general me deu foi pena em vez de raiva.

O desenvolvimento da relação entre Henry e Catherine também está de parabéns. Quando li A Abadia de Northanger pela primeira vez, um dos pontos que questionei – acho inclusive que o fiz no debate do clube do livro – foi que não entendia completamente como Henry se apaixonara pela avoada Miss Morland. Mas a Grange fez um ótimo trabalho nesse aspecto e eu parei de me questionar tanto sobre a futura felicidade do casal.

Enfim, uma excelente segunda versão da história original, que respeita não apenas os personagens como também o espírito da obra. Grange foi perfeita na evocação da voz de Henry Tilney e está em sua melhor forma nesse livro. Divertido, descontraído, adorável – quem gosta de A Abadia de Northanger certamente vai se encantar com esse aqui.

Gazeta de Longbourn apresenta: A Darcy Christmas

Já no espírito natalino, Luciana Darce (JASBRA-PE) nos resenha contos de natais em Pemberley!

Happiness, deep love, and Christmas cheer echoed down the lengthy corridors and invaded every chamber of the Manor. But in none were these positive emotions as high as in the Master’s chambers on the upper floor of the south wing.

You see, this Christmas was Darcy’s first as a married man. A newlywed of less than a month, in fact, and to his indescribable joy, his wife was Elizabeth. The numerous questions of the prior Christmas were answered beyond his wildest imaginings. Any delusions or doubts were erased.

Was he in love with Elizabeth Bennet, now Elizabeth Darcy?

Yes! A resounding yes and to a depth that continually staggered him.

Estamos quase no Natal! E que melhor forma de comemorar do que passar as festas em Pemberley?

A Darcy Christmas é uma antologia de três contos de autoras já conhecidas por ‘brincar’ com as palavras de Austen: Amanda Grange, Sharon Lathan e Carolyn Eberhart. Das três, confesso que a única que conheço é a Grange, por causa da série de diários dos heróis austenianos.

É de Grange o conto de que mais gostei, Christmas Present. Os personagens todos ecoam muito bem suas contrapartes originais e é divertido ver como eles se comportam no ‘pós-livro’, com a família toda se reunindo sob o teto dos Bingley, Lady Catherine e Mrs. Bennet competindo por “parente mais inconveniente do ano”.

A relação de Darcy e Lizzie é confortável como boa xícara de chocolate quente num dia frio (algum dia farei algo sobre minha obsessão com metáforas culinárias para livros…) e a história toda é bem gostosa de ler.

Mr. Darcy’s Christmas Carol da Carolyn Eberhart é… eu não sei dizer o que é, para ser sincera. A ideia em si é interessante, mas o desenvolvimento é tão absurdo que se torna inadvertidamente engraçado.

Fiquei um pouco com o pé atrás com algumas inconsistências, especialmente sobre o pai do Darcy e sua relação com o Wickham. Ainda assim, ri quando Darcy cruza com Wentworth ou, melhor ainda, como o próprio Scrooge – e não vamos entrar no mérito que o conto de Dickens é bem típico da era vitoriana, umas boas décadas pós-Austen…

Fecha a tríade A Darcy Christmas, de Sharon Lathan, conto que dá nome à antologia.

Lathan, como Grange, é mais fiel ao estilo de Austen, embora alguns detalhes me pareçam destoar da personalidade que conhecemos dos personagens mais famosos da autora… Ainda assim, a história me agradou, mostrando décadas de natais da família Darcy, o nascimento e perpetuação de tradições de Lizzie, Fitzwilliam e seus filhos.

De uma maneira geral, não é o melhor que já li em matéria de sequências e mashups inspirados em Austen… mas é um livrinho interessante, rápido de ler e apropriado para dias longos sem nada para fazer, quando temos vontade de nos enroscarmos na cama preguiçosamente e ler algo açucarado-indutor-de-diabetes.

Além disso… it’s beginning to look a lot like Christmas… (e Pemberley deve ser liiiiiinda no Natal…).

Gazeta de Longbourn Apresenta: Edmund Bertram’s Diary

At last it was time for me to claim Fanny, and I found her with relief.

‘I am worn out with civility,’ I confessed, as I led her on to the floor. ‘I have been talking incessantly all night, and with nothing to say. But with you, Fanny, there may be peace. You will not want to be talked to. Let us have the luxury of silence.’

She smiled in silent sympathy, and I found it a great solace to be able to dance with her.

How different was our silence to the one that had fallen between Miss Crawford and myself, for that had been angry and not at all comfortable. But then, Fanny is one of my oldest friends, and it would be a strange day, indeed, if I should ever find myself at outs with her.

Bem… isso foi curioso… Dos romances da Austen, Mansfield Park é o que menos gosto (gosto de todos, mas todo mundo tem suas preferências…), e no entanto… no entanto, Edmund Bertram’s Diary foi meu diário favorito da série da Amanda Grange até agora (isso porque ainda falta ler o do Mr. Tilney e sempre gostei muito do Tilney…).

Irritava-me profundamente a forma como Bertram ficava totalmente cego por Mary e machucava Fanny e como ela se calava e deixava que ele – que tecnicamente era o moço bom, puro e generoso, avesso da turminha muitas vezes indigesta da família – pusesse sal nas feridas já abertas.

Ler agora o ponto de vista do Edmund fez-me sentir mais caridosa e benevolente em relação ao moço. A despeito de sua fascinação com Mary, ele nunca esquece a amizade e afeto por Fanny. O tempo todo em que lia, eu torcia por Edmund, para que ele pudesse abrir logo os olhos e enxergar o que estava bem diante de seu nariz, para que ele não sofresse tanto.

Comparativamente aos outros mocinhos da Austen, Edmund parece bastante sem sal. Ele não é um herói galante que arranca suspiros, que nos fascina com seu mistério, ou seu porte, ou sua sagacidade.

A verdade, contudo, é que ele é… companheiro. Acho que essa é a palavra e esse é o encanto dele. Ele é companheiro, fiel aos seus princípios, gentil e afetuoso. E a Grange transporta essas qualidades para todas as relações de Edmund – com os irmãos, com os amigos, com os pais. A forma como ela escreveu ele com Tom, o carinho e a lealdade que Edmund tem para com o irmão mais velho é para te deixar sorrindo feito bobo.

Edmund Bertram’s Diary é um retrato simpático e terno de um personagem que, muitas vezes, deixamos de lado por não corresponder às nossas noções de handsome, dashing gentleman. Ele não nos oferece paixões violentas, mas antes a certeza de um amor tranqüilo e constante. Sereno, mas nem por isso menos intenso.

* Lu Darce (JASBRA-PE) quase esqueceu de postar isso aqui hoje, mas deve ser desculpada porque ainda está meio fora do tempo. Esse e outros esquecimentos, você pode encontrar em Coruja em Teto de Zinco Quente.

Gazeta de Longbourn Apresenta: Captain Wentworth’s Diary

“Você não deveria ter me pedido para dançar,” ela disse suavemente, quando nós tomamos nossos lugares. “Nós não fomos apresentados ainda.”

“Então porque você aceitou?” eu perguntei.

Ela corou, e eu pensei que, apesar de ela não ter a beleza marcante de Miss Elliot, ela era extremamente bonita, com seus traços delicados e olhos escuros.

“Eu mal sei, a não ser que seja porque eu tenho tão poucas oportunidades de dançar que não posso ignorar uma,” ela disse.

Todo mundo já deve saber a essas alturas que Persuasão é meu romance favorito dos escritos por Jane Austen – se é para suspirar por algum mocinho, que ele use dragonas e tenha ar de pirata. Wentworth é meu herói favorito e é claro que eu estava ansiosa por chegar nesse volume.

A história começa bem antes da narrativa oficial de Persuasão, com aqueles famosos (e dolorosos) eventos de ‘oito anos atrás’, quando tudo começou entre a jovem Anne e o recém nomeado capitão Frederick.

Sempre admirei Wentworth porque ele é um homem que veio do nada, sem qualquer fortuna ou ligações, e que cresceu por seu próprio esforço e mérito – sem, contudo, perder de vista o que era realmente importante. Se por vezes ele pode parecer um pouco arrogante e até cruel, devemos levar em consideração o desapontamento que ele sofreu quando Anne terminou o noivado entre eles – uma ferida que nunca cicatrizou, a despeito da distância e do tempo, que só pode ser esquecida de verdade diante da renovada admiração e reabertura das possibilidades entre os dois.

Já expus extensamente sobre o assunto do Capitão quando fiz a análise do livro de Austen. Sendo assim, vamos logo ao que interessa hoje.

Embora eu não diga que Captain Wentworth’s Diary seja ruim, sinto que falta a ele alguma coisa para que você acredite estar diante do verdadeiro capitão. Gosto da forma como a Grange escreve e o livro teve seus bons momentos, mas volta e meia eu me pegava surpresa com a imaturidade do Wentworth que ela escreve.

Frederick é um homem ferido, sim, mas nunca um moleque mimado e imaturo – e é dessa forma que ele soa em alguns momentos, especialmente no começo.

Sempre acreditei que Frederick e Anne eram dos casais mais passionais da tia Jane, mas que o amor deles começara de forma quase… espiritual, um verdadeiro encontro de mentes e almas. E não é isso que acontece aqui, a ligação inicial entre os dois não me convenceu de todo e Wentworth parece deixar Anne mais com o ego que o coração partido.

A narrativa melhora uma vez que chegamos ao reencontro ‘oito anos depois’. Temos então o capitão mais maduro, mais crível, mais próximo da voz com que Austen originalmente o dotou. E é claro que não há como não se derreter a partir do momento em que ele decide que seu objetivo deve ser reconquistar Anne (para então descobrir que, de fato, nunca a perdeu).

Eu me diverti mais lendo Mr. Knightley’s Diary, não vou negar. Mas ainda assim, este volume da série que a Grange escreve com os diários dos heróis austenianos é uma leitura agradável para uma sessão da tarde.

* Lu Darce (JASBRA-PE) gosta tanto de uniformes quando Lydia Bennet, embora prefira a marinha à milícia. Ela provavelmente se comportaria de forma tão vergonhosa quanto Lydia se o grupo de capitães de Persuasão aparecesse em sua cidade. Esse e outros segredos não tão secretos, vocês podem encontrar em Coruja em Teto de Zinco Quente.

Mr. Darcy’s diary (Amanda Grange)


Natallie Chagas nos apresenta uma resenha do livro Mr. Darcy’s Diary. Thanks Girl!

Título: Mr. Darcy’s diary
Autora: Amanda Grange
Editora Sourcebooks, 320p.

Darcy consegue impedir sua irmã Georgiana de fugir com Mr. Wickham. Após esse infeliz acontecimento, ele parte para Netherfield com o amigo Mr. Bingley. No baile de Meryton, ele conhece a família Bennet. Sem demonstrar interesse por Elizabeth Bennet, ele passa a admirar a moça quando eles convivem brevemente em Netherfield, por ocasião da doença de Jane Bennet. Após um breve período de tempo, em que Mr. Darcy não consegue esquecer os belos olhos de Elizabeth, eles se encontram em Rosings e Darcy faz o desastroso pedido de casamento. Aturdido com a recusa da moça, ele passa a reconsiderar seus valores e sonha em ter Elizabeth como esposa, mesmo que ele considere isso impossível. Até sua querida tia Lady Catherine de Bourgh se intrometer. Finalmente, Darcy e Lizzie se casam e partem para Pemberley.

The Mr. Darcy’s diary. Quando li o título desse livro, minha curiosidade foi ao auge. O que poderia ser mais interessante do que tudo que li em Orgulho e Preconceito do ponto de vista de Mr. Darcy????? Adorei o livro inteiro.
A convivência dos dois, como tudo o mais, é retratado fielmente por Darcy em seu diário. É muito bom poder ver mais do estilo de escrita dele em suas cartas, principalmente NA carta. Ah, a carta… Os autores de sequels se preocupam bastante com a redação da carta que ele escreve para Elizabeth justificando suas atitudes. Ao mesmo tempo em que ele escreve, o leitor percebe a agonia de Darcy durante a escrita de cada parte. E o fato do livro ser um diário só tornou essa parte mais interessante, porque em outras sequels, nós vemos indiretamente seu tormento. Sempre achei que nessa carta ele abria seu coração como se estivesse escrevendo algo que só ele fosse ler (como um diário). Então, o livro expressa seus pensamentos e a carta se torna uma extensão dele (do diário).
Outro fato que gostei bastante foi o Coronel Fitzwilliam abrindo seus olhos logo no dia seguinte ao pedido, fazendo Darcy pensar no modo totalmente errado que fez sua proposta, o que abre outra brecha. Nunca pensei, lendo O&P, que o Coronel soubesse do acontecimento em Rosings. Mas Amanda Grange consegui me fazer pensar que isso ocorreria, dado o testemunho que o coronel pode dar acerca do que Darcy escreveu na carta.
Outro fato que recomenda muito esse livro: Anne, prima de Darcy e sua “prometida”, finalmente toma uma atitude frente às imposições da mãe. Lady Catherine simplesmente tem que aceitar que sua filha, longe de ser uma jovem doente, também ama e tem vontade própria. O desfecho para ela e para o Coronel Fitzwilliam não foi o que eu imaginava, mas mesmo assim adorei.
De modo geral, esse livro é muito recomendado. Poder conhecer os mais íntimos pensamentos de Darcy e seus sentimentos em relação aos seus amigos, sua família e principalmente a Elizabeth Bennet me fizeram amá-lo cada vez mais. E consolidou sua posição em primeiro lugar na minha lista de heróis austenianos (e literários).

Title: Mr. Darcy’s diary
Author:
Amanda Grange
Sourcebooks, 320p.

Darcy manages to prevent his sister Georgiana to get away with Mr.Wickham. After this unfortunate event, he goes to Netherfield with his friend Mr. Bingley. In Meryton ball, he knows the Bennet family. Showing no interest in Elizabeth Bennet, he begins to admire the girl when they live briefly in Netherfield, when Jane Bennet’s gets sick. After a brief period of time, in which Mr. Darcy can not forget the beautiful eyes of Elizabeth, they are at Rosings and Darcy makes a disastrous marriage proposal. Stunned by the refusal of the girl, he begins to reconsider their values and dreams of having Elizabeth as his wife, even though he considers it impossible. Until his beloved aunt Lady Catherine de Bourgh to intrude. Finally, Darcy and Lizzie get married and leave for Pemberley.


The Mr. Darcy’s Diary. When I read the title of this book, my curiosity was at its height. What could be more interesting than anything I’ve seen in Pride and Prejudice from the perspective of Mr. Darcy??? I loved the whole book.

The coexistence of the two, like everything else, is faithfully portrayed by Darcy in his diary. It’s great to see more of his writing style in his letters, especially in THAT letter. Ah, the letter … The authors of sequels are concerned enough with the wording of the letter he wrote to Elizabeth justifying their actions. While she writes, the reader realizes the agony of Darcy during the writing of each party. And the fact that the book is a diary only made this most interesting, because in other sequels, indirectly we see his torment. I always thought that in this letter he opened his heart as if he were writing something that only he were to read (like a diary). So, the book expresses his thoughts and the letter becomes an extension of it (the diary).

Another fact that I really liked was Colonel Fitzwilliam opening Darcy’s eyes the next day to the request, making Darcy think about the totally wrong way he made his proposal, which opens another loophole. I never thought, reading P&P, that Colonel knew of the event in Rosings. But Amanda Grange managed to make me think that this would happen, given the testimony that the colonel can give about what Darcy wrote in the letter.
Another factor that strongly recommends this book: Anne, Darcy’s “promised” cousin, finally takes a stand against the impositions of her mother. Lady Catherine simply have to accept that her daughter, far from being a ill young lady, also loves and willingly. The outcome for her and Colonel Fitzwilliam was not what I expected, but still loved it.
Overall, this book is highly recommended. Get to know the most inner thoughts of Darcy and his feelings toward his friends, his family and especially Elizabeth Bennet made me love him even more. It consolidated its first position on my list of Jane Austen’s (and literary) heroes.

Gazeta de Longbourn apresenta: Mr. Knightley"s Diary

I had lunch at my club, with Routledge. As we finished our meal, I found him watching me curiously.

‘Well?’ he said.

‘Well?’ I asked.

‘Out with it.’

‘Out with what?’

‘Whatever it is that is bothering you,’ he said. ‘It must be something important, for you have not listened to a word I have said. You have answered me in an abstracted manner, and nothing you have said has made sense.’

‘Nothing is bothering me,’ I answered testily.

‘You might as well make up your mind to tell me, because I will hound you until you do. I am tired of looking at your long face and hearing your sighs! It is not like you.’

‘I do not sigh!’ I protested.

‘I distinctly heard you as you ate your beef. You sighed.’

I gave a deep sigh – then was angry with myself.

‘Hah!’ said Routledge. ‘There you are! It is as I said! You sighed. Well?’

I could not hide it from him any longer, nor did I wish to, for I needed to unburden myself.

‘You were right.’ I said.

‘About?’

‘About Emma. Everything you said was true. I am in love with her. I cannot think why I did not see it sooner. I have been blind. She is the very woman for me.’

‘At last! I have been waiting for you to see it for months. Well, when are you going to marry her?’

‘Never. I have missed my chance. She is going to marry Frank Churchill.’

‘Is she indeed?’ he asked in surprise. ‘What makes you think so?’

‘There is an understanding between them. From things she has said – things she has done – I asked her if she knew his mind on a certain subject, and she said she was convinced of it. In short, I thought he seemed to be casting glances at Jane Fairfax, some time ago, but Emma said she was sure of him. It was an intimate matter, one that would not have been spoken of if there had not been an engagement.’

‘And so they have announced their betrothal.’

‘I am expecting it any day, although it may be delayed as Mrs Churchill has just died.’

‘Then, if it is as certain as you say, you had better marry Jane Fairfax instead.’

‘I have already thought about it, but I cannot do it.’

‘Why not? She is an attractive young woman, well bred, agreeable and in need of a home.’

‘I cannot marry her for those reasons. Befriend her, help her – yes, But marry her? No.’

‘Then you had best see to your repairs at the Abbey, for it seems your nephew will inherit it, after all.’

Todas as regionais da JASBRA fizeram ou vão fazer encontros do Clube do Livro esse mês para discutir Emma. Assim, nada melhor que aproveitar a ocasião e os empréstimos da Adriana para resenhar este mês o diário do excelentíssimo Mr. Knightley, o cavaleiro em armadura brilhante de Emma.

Aposto que muitos fãs de Austen por aqui já conhecem o trabalho da Amanda Grange. Já li muitos elogios ao seu Mr. Darcy’s Diary e comentários menos empolgados para sua continuação vampírica de Orgulho e Preconceito. – já li os dois e concordo com ambas as opiniões: no primeiro, ela foi bastante fiel e gostosa de ler, no segundo, é meio óbvio que ela não tem muita prática com o mundo do sobrenatural e a forma como ela trabalha o mito do vampiro é meio que bastante bizarra.

O caso é que, curiosamente, meio mundo conhece da versão de Grange para Orgulho e Preconceito, mas nem todo mundo sabe que ela escreveu diários para quase todos os heróis de Austen (e um para o Wickham) – Mr. Knightley sendo um deles, claro.

Não há muito o que falar sobre o plot, porque é bastante óbvio do título – trata-se do diário mantido por Mr. Knightley durante os eventos de Emma. Dito isso, devo observar que um dos motivos do personagem estar no meu top 3 heróis austenianos decorre da leitura desse livro (eu já o tinha visto antes da Dri emprestar).

Grange não sai do tom ditado por Austen em nenhum momento, mas ao revelar os pensamentos de Knightley para nós, ela o faz de maneira apaixonantemente honesta. E essa é uma característica marcante do senhor de Donwell Abbey – ele é honesto, sincero em tudo aquilo que faz e isso se reflete mesmo em sua realização do que sente por Emma e sua posterior declaração (confesso que fico sempre me segurando na cadeira nesse momento e quase saio pulando de emoção quando ele solta aquele “se te amasse menos, talvez fosse capaz de falar mais sobre o assunto”).

Sério, Austen escreve as melhores cenas de declaração, não? Incrível como depois de ler e reler inúmeras vezes esses livros, continuo sempre na ansiosa expectativa delas…

Seja como for, Grange retrata nesse livro aquilo que há de melhor no cavalheiro em questão – e se vocês ainda têm alguma dúvida sobre o porquê de Emma ter se apaixonado por ele, recomendo fortemente dar uma lida neste livro e veremos se vocês serão capazes de resistir ao charme de Mr. Knightley.

* Lu Darce (JASBRA-PE) está presentemente encantada com Mr. Knightley “se eu te amasse menos seria capaz de falar mais sobre isso”. Tanto que está até sem palavras. Mais silêncios como esse, vocês podem encontrar em Coruja em Teto de Zinco Quente.

Captain Wentworth’s diary (Amanda Grange)

Olá todo mundo! Meu nome é Natallie Chagas. Paraense, leitora inveterada, dona do blog Meu Cantinho Literário, leio de tudo um pouco. Apaixonada por Jane Austen faz algum tempo, tento transmitir essa paixão pela autora Pará afora. Como minha primeira contribuição ao blog, escolhi a resenha do livro Captain Wentworth’s diary. O motivo? Bom, leiam e vocês vão saber 🙂

Título: Captain Wentworth’s diary
Autora: Amanda Grange
Editora Berkeley Trade, 304p.

Anne, always Anne. 

 O jovem Frederick Wentworth conhece Anne Elliot em uma pequena reunião. Ele primeiro pensa que ela é dama de companhia de Elizabeth Elliot, mas logo descobre seu engano. Primeiro com a intenção de flertar com Anne (sem dúvida, penalizado com a situação da moça desconsiderada pelo pai e pela irmã), mas o jeito delicado de Anne o encanta. Encontros casuais fazem com que a afeição por ela cresça a cada dia. Nesse meio tempo, Lady Russel começa a perceber a (e desgostar da) atenção que Wentworth dá a Anne sempre que eles estão no mesmo local. Mesmo ciente desse fato, o então comandante resolve não desistir de Anne. Então, ele a pede em casamento. Anne aceita e seu pai consente (em termos não muitos amigáveis). A felicidade é enorme, até a moça cancelar tudo. Graças à Lady Russel. Wentworth a confronta, mesmo magoado. Ele parte. 
Anos depois, agora já capitão, Wentworth recebe um convite da irmã para se hospedar na casa dela, antiga propriedade de Sir Elliot. Suas lembranças afloram, e mesmo tentando parecer indiferente ao destino de Anne, ele não consegue segurar sua curiosidade. Ele fica feliz ao descobrir quem realmente é Mrs. Musgrove. Finalmente, eles se encontram novamente, mas tudo que Wentworth pode sentir é desgosto, pois Anne não demonstra mais ter todo o brilho que um dia ele conheceu. Vendo a constante desatenção sofrida pela moça, ele tem vontade de defendê-la. Mesmo conversando com outros e sendo requisitado por todos, sua atenção permanece com Anne. Wentworth começa a perceber que continua dedicando a moça os mesmos sentimentos de antes. Mais do que isso, seus sentimentos agora também são contraditórios: raiva, frustração, esperança. E ciúmes, muito ciúmes. Até finalmente perceber que Anne nunca saiu de sua cabeça e que ele continua querendo-a como esposa. 

Me surpreendi quando ele primeiramente pensou em Anne como um simples flerte. Mesmo que ele estivesse penalizado pela pouca consideração que o pai e a irmã tinham dela, fiquei com raiva porque isso não parecia um bom motivo para flertar (ato que eu considero, ao ler as novelas de Austen, como um homem querendo se divertir à custa dos sentimentos de uma jovem) e acabei me lembrando de Wickham e Willoughby. 
Outra coisa que me irritou terrivelmente foi Lady Russel. Mesmo que suas intenções tenham sido as melhores, já que Anne era muito jovem, não consigo deixar de pensar nos motivos que a levaram a aconselhar Anne a não se casar. No confronto que se segue, adoro a menção à inconstância de sentimentos femininos e masculinos, discussão em Persuasão que eu me derreto todas as vezes que leio. Outro ponto alto: Wentworth estava desesperançado com a inconstância de Anne e queria se apaixonar por uma jovem determinada. Achando que fosse encontrar isso em Louisa Musgrove, mais tarde percebe que uma determinação incansável pode não ser, afinal de contas, uma grande qualidade. Como se não precisasse de mais nada para ele direcionar seu pensamento para Anne. Também gostei de Amanda ter mantido Wentworth como o homem determinado e com os sentimentos intensos (os quais só temos real consciência na carta) que Jane Austen nos presenteia. Um livro muito bom, uma leitura maravilhosa. Muito recomendado.

Mr. Darcy Vampyre

Vocês se lembram que no post de domingo passado eu disse que já não faltava mais nada além dos zumbis, monstros marinhos e múmias. Eu já conhecia esse livro pela capa, mas depois de ler as considerações de Camila D. resolvi perdir permissão e replicar aqui no blog.

A montagem das fotos acima é da própria autora de Mr. Darcy Vampyre – Amanda Grange.
Camila D. escreve no blog Liquid Dreams of…,  mora em Lisboa, Portugal e gentilmente cedeu seu texto/análise para que eu publicasse aqui no Jasbra:
“Começo por avisar todos os leitores que este post contém SPOILERS.Quem estiver a pensar ler o livro e não quiser saber o final, NÃO LEIA este post…

“Mr. Darcy, Vampyre” de Amanda Grange vem no espírito dos inúmeros volumes inspirados por “Pride and Prejudice” de Jane Austen, alguns deles escritos pela própria.
A verdade é que as aventuras e desventuras de Lizzie e Darcy alimentam a imaginação de milhares de pessoas – mulheres, na sua maioria 😉 – há décadas.
Pride and Prejudice tornou-se num verdadeiro filão de fanfiction profissional e podemos encontrar todo o tipo de histórias, recordo, a título de exemplo:
Mr. Darcy Takes a Wife de Linda Berdoll
Mr. and Mrs. Fitzwilliam Darcy de Sharon Lathan
Mr. Darcy’s Diary um Amanda Grange e outro de Maya Slater
Mr. Darcy’s Dream de Elizabeth Aston
Pride and Prejudice and Zombies de Jane Austen e Seth Grahame-Smith

Podia ficar aqui o resto da noite a escrever livros e autores porque a quantidade de sequelas, adaptações, remakes e palhaçadas é verdadeiramente extensa!

O facto da história ser efectivamente original é uma mais valia quando comparada com os recentes e muito preguiçosos “Pride and Prejudice and Zombies” ou “Sense and Sensability and Sea Monsters” (este último não li, porém, pelo que vi, segue as linhas do P&P&Z), mas a verdade é que isso não é suficiente para fazer de um livro um bom livro.

Sendo uma fã de P&P e de Vampiros, parece quase impossível este livro não me ter agradado, mas a verdade é essa.
Um Darcy de personalidade alterada, que passa o tempo todo escondendo-se de Lizzie e resistindo as suas timidas tentativas de sedução não era bem a personagem vampirica que tinha em mente.
Grange fez mentalmente uma lista de locais a visitar, encheu uns quantos palacetes, castelos e casarões com vampiros meio distraídos e muito pouco discretos (incluindo um tio Conde Polidori que vive num velho castelo nos Alpes; talvez os Cárpatos fossem um pouco fora de mão para serem visitados numa lua-de-mel) e faz Lizzie andar a passear rapidamente, num casamento por consumar, por uma Europa onde até aparece a Lady Catherine e a sua enferma Anne, quase a picar o ponto para garantir que tinha um pouco mais de 200 páginas.
Resumindo: Darcy é vampiro, tem medo de consumar o casamento porque alguém lhe disse no dia da cerimónia que, se calhar, sexo é capaz de ser um método, alternativo à dentada, para transformar alguém em vampiro e por isso, decide viajar pelos seus amigos vampiros da Europa para validar essa ideia, uma vez que não quer ver Lizzie transformada em vampira (sabe-se lá porquê! se gosta tanto dela, vivam os dois para sempre).
Entretanto, são perseguidos não se sabe bem porquê ou por quem, as dicas do vampirismo de Darcy são mais que muitas, mas Lizzie não dá conta de nada (incluindo as transformações nocturnas em morcego), e quando finalmente surge a revelação, vem associada a uma possibilidade de converter a “maldição” e de voltar a ser mortal.
Em vez de oferecer a Lizzie a vida eterna, Darcy decide descer a umas grutas por baixo de uns templos que ficam mesmo ali ao lado de uma das cabanas de caça que este possui quase a cada esquina e, num estranho e muito mal “amanhado” ritual com muito pouco rito, deixa de ser vampiro e passa a viver com Lizzie como mortal.
As limitações das famílias de vampiros chegam quase a ser hilariantes, como o caso de Darcy que fica transparente (!?) durante o nascer e o pôr do sol (isto levanta alguns problemas no que toca à mais recente adaptação do P&P no cinema, para quem se lembra da cena final!).
Já para não dizer que, de repente, Lizzie passou a ter uma beleza avassaladora para toda a gente quando antes era só engraçada. O que diriam eles de Jane, referida por TODOS em P&P como sendo a mais bela das irmãs…
É impressão minha ou estes finais estão cada vez piores!?…

Não sei se vai ser publicado por cá (Portugal), mas entretanto sairá outro com a mesma premissa – Mr. Darcy é ou será transformado em vampiro – em Dezembro: “Vampire Darcy’s Hunger: A Pride and Prejudice Adaptation”. Este adaptation faz com que este esteja talvez demasiado próximo do P&P&Z, o que me preocupa um pouco no que toca à originalidade…”
*****

Texto gentilmente cedido por Camila D. do Liquid Dreams of.. – ao citar essa avaliação do livro por favor peça autorização à autora.