Merry Christmas/Feliz Natal Janeites/Austenites

This is a bilingual post. Este é um post bilíngue.

Neste post faço um pequeno apanhado de posts sobre o natal.
In this post there’s a small selection of post about christmas.

A Regency Christmas: Decorating 19th Century London With Holly by Vic Sanborn
The Christmas Plum Pudding: An Old English Foodie Tradition by Vic Sanborn
Jane Austen’s Very Own Scrooge by Janeite Deb
Regency-era English Christmas Pudding: American Fruitcake’s Kissin’ Cousin by Laurel Ann
Regency Recepies by The Jane Austen Centre
Natal nos livros de Austen / Christmas in Jane Austen’s books – By Adriana Zardini
Best Wishes Janeites video by Chiara Marcatilli

O Natal só foi proclamado feriando nacional na Inglaterra após 1834 – dezessete anos depois da morte de Jane. Porém, durante a vida de Jane já havia uma observância da data e as pessoas costumavam saudar umas às outras com desejos alegres e afetuosos, repletos de rituais, supertições e idas à Igreja. No entanto, o natal celebrado por Jane e seus contemporâneos em nada se parece com o que vivemos: correria e tumulto em lojas, pois na época não havia o apelo comercial para a data.

Anúncios

Jane Austen Festival – 2010

Ontem, teve início o Décimo Jane Austen Festival em Bath.

O Jane Austen Festival em Bath é realizado todos os anos na última semana de setembro. Em 2010, o Jane Austen Festival em Bath será realizado de 17 a 25 de setembro. Uma das atrações mais aguardadas é o “Regency Costumed Promenade“, espécie de desfile pela cidade em que os participantes vestem-se à moda da Regência (Georgiana), e que acontece no primeiro sábado do Festival, portanto foi hoje mais cedo! Em 2009, este evento bateu o recorde de pessoas juntas vestidas à moda da Regência.

 

Veja abaixo algumas fotos*:

 

Abaixo, vocês poderão assistir ao vídeo Regency Costumed Promenade de 2009. Um dia certamente estaremos lá, não é mesmo?
 
Você poderá acompanhar a programação completa do Festival Jane Austen aqui.
*Créditos das fotos: Jane Austen Festival
Assim que eu receber as fotos do Festival 2010 publicarei aqui no blog, ok?

Assustadoramente Fanáticos

É… decididamente somos fanáticos por Jane Austen! Na semana passada A Revista Time publicou uma lista dos grupos mais fanáticos, e entre eles obviamente se encontram os/as Janeites!

Crédito da foto: Tracy A. Woodward / The Washington Post / Getty Images

Texto em inglês de Allie Townsend:

Devoted to the works of Jane Austen, fans of the 19th century English romance novelist fittingly call themselves Janeites. A movement dating back to the late 1890s, Janeitism was, strangely, a shared enthusiasm among men for Austen’s body of work. (A short story featuring a group of World War I–era soldiers who form a secret Janeite society was published in author Rudyard Kipling’s Debits and Credits in 1926.) However, the embodiment of modern Janeitism belongs to groups of fans whose loyalty has blossomed from literary fandom into practicing admiration. Now, Janeites are known not only for their passion for Austen’s books, but for their enthusiasm for (and attempted visitation of) her world. Fans regularly stage dramatic readings, throw lavish period-style costume balls and embark on Jane Austen–inspired pilgrimages to places described in her novels or frequented by the author during her lifetime.

Ainda sobre os Zumbis

Imagem Royalty-Free do site corbis.com

Uma crítica curiosa de Jennifer Schuessler para o New York Times de 02 de fevereiro de 2009, diz o seguinte: Jane Austen comeu meu cérebro

Resumidamente, Jennifer fala que gostaria de ter me mãos o Pride and Prejudice and Zombies. Questiona:
1) Este livro não é uma tentativa de colocar Jane no mercado editorial vampiresco?

2) Será que este livro também segue a linha do livro Jane Bites Back – Jane dá o troco (que ainda não foi lançado)? O livro Jane Bites Back de Michael Thomas Ford se baseia em uma Jane Austen Zumbi que após 200 anos está de volta vigando-se daqueles que ganham dinheiro em seu.

3) O será mais um forte argumento forçado sobre restrições de direitos autorais?

O artigo de Jennifer está mais para informativo que uma crítica literária, e a autora conclui de forma irônica: Esta versão de Orgulho e Preconceito e Zumbis ataca a mais famosa citação de Austen, mas na realidade é interessante: “é uma verdade universalmente reconhecida que um zumbi possuidor de cérebros, deve estar em busca de mais cérebros“.

Jennifer em um comentário apimentado, acrescenta: Um outra verdade universal (se referindo à Seth Grahame-Smith) : “um autor possuidor de um zumbi plagiador deve estar em busca de uma página no Facebook“.

***
O Austen Blog também vem discutindo este livro, publicou em 04 de fevereiro de 2009 um post com o seguinte título: Back off Zumbie Boy – Nos deixe em paz garoto Zumbi
A autora comenta que não se trata de uma questão de ‘nós contra eles’ (referend0-se às fãs de Jane versus leitores de Seth) e pontua que Seth não foi educado quando fez comentários ofensivos às Janeites e que os fãs de Austen também poderão ser audiência seu livro.

***
Por sua vez, Seth escreve uma mea culpa em seu perfil na página da amazon.com: To Janeites Everywhere… – Para as Janeites de todos os lugares

Seth menciona a crítica de Margareth C. Sullivan (Austen blog) e escreve uma espécie de pedido de desculpas dizendo que seus comentários aparentemente podem parecer anti-austen, mas que ele estava se referindo à pessoas que sem se darem ao trabalho de ler seu livro, já se levantaram contra ele.

Seth salienta que adora Austen! Segundo o autor, Austen escreveu comédias, era subversiva, facilmente irritável e ainda usava toucas!! Ótimas qualidades por sinal!

Seth diz que leu Orgulho e Preconceito 30 vezes enquanto escreveu Orgulho e Preconceito e Zumbis e que este foi o livro mais divertido de escrever.

Falando seriamente, Seth oferece sua mea culpa: promete não discriminar as Janeites. Assina como Garoto Zumbi
***
Concluindo, Margareth alerta os leitores do Austen blog que sorteará algumas cópias de Orgulho e Preconceito e Zumbis e que nós leitores devemos ficar atentos!
Como diria Shakespeare: All’s Well That Ends Well – Tudo bem quando termina bem!