Gazeta de Longbourn Apresenta: The Jane Austen Handbook

How to explain the sheer tingling joy one experiences when two interesting, complex, and occasionally aggravating characters have at last settled their misunderstandings and will live happily ever after, no matter what travails life might throw in their path, because Jane Austen said they will, and that’s that? How to describe the exhilaration of being caught up in an unknown but glamorous world of balls and gowns and rides in open carriages with handsome young men? How to explain that the best part of Jane Austen’s world is that sudden recognition that the characters are just like you?

Quando tivemos o Encontro Nacional da JASBRA, ano passado, para celebrar o bicentenário de Orgulho e Preconceito, a Adriana Zardini citou esse livro na palestra dela. Óbvio e ululante, tão logo cheguei em casa, coloquei-o na minha lista e pouco tempo depois, tendo encontrado o bendito numa prateleira da Livraria Cultura, meti-o debaixo do braço e o trouxe para casa.

The Jane Austen Handbook é um livro interessante para quem quer entender um pouco mais do contexto da época em que os romances da tia Jane se passam. Você pode lê-lo de uma capa ou outra – e é uma leitura bem divertida – ou pode pular capítulos, usando-o como um guia de maneiras ou uma enciclopédia, de acordo com os aspectos que você queira estudar.

Os capítulos são curtos e variam desde conselhos sobre como se vestir durante o dia até regras para se fazer a corte. Há um bom glossário para entender certas palavras e conceitos que não temos hoje em dia; acompanhado de ilustrações e pequenas inserções explicando detalhes como o motivo de Mr. Collins ser herdeiro de Longbourn.

E tudo é escrito com muito bom humor e várias referências a situações em que nossas heroínas favoritas se encontraram ao longo das páginas de seus respectivos romances.

Não é um livro essencial, do ponto de vista em que acredito que qualquer um pode usufruir da leitura de um romance de Austen sem precisar de detalhes sobre como se conduzia o ambiente doméstico da época… mas é bastante informativo, sem deixar de ser divertido e certamente pode ajudar àqueles que querem ir um pouco mais a fundo em suas interpretações do período no contexto das novelas.

Eu certamente recomendo.

Edição comemorativa de Sense and Sensibility – Lançamento!

Acabo de descobrir uma edição comemorativa do bicentenário de Sense and Sensibility, publicado pela GirleBooks. Vejam como é linda! Edição com notas de Margareth Sullivan, a Mags! Leia aqui outros posts sobre a Mags.

As ilustrações são de Cassandra Chouinard.

Para ler o post completo, traduzido para o português (ferramenta do google). Clique aqui.

There must be murder – história em capítulos

Descobri no site ‘The Jane Austen Centre’ uma história contada em capítulos, com a possibilidade de tradução imediata (google tradutor): There must be murder – a very nice story. Trata-se de uma história escrita por Margareth C. Sullivan (a Mags do AustenBlog) e ilustrações de Cassandra Choiunard.
Confira abaixo os capítulos:
1 – Winter pleasures (Prazeres de inverno)

Ainda sobre os Zumbis

Imagem Royalty-Free do site corbis.com

Uma crítica curiosa de Jennifer Schuessler para o New York Times de 02 de fevereiro de 2009, diz o seguinte: Jane Austen comeu meu cérebro

Resumidamente, Jennifer fala que gostaria de ter me mãos o Pride and Prejudice and Zombies. Questiona:
1) Este livro não é uma tentativa de colocar Jane no mercado editorial vampiresco?

2) Será que este livro também segue a linha do livro Jane Bites Back – Jane dá o troco (que ainda não foi lançado)? O livro Jane Bites Back de Michael Thomas Ford se baseia em uma Jane Austen Zumbi que após 200 anos está de volta vigando-se daqueles que ganham dinheiro em seu.

3) O será mais um forte argumento forçado sobre restrições de direitos autorais?

O artigo de Jennifer está mais para informativo que uma crítica literária, e a autora conclui de forma irônica: Esta versão de Orgulho e Preconceito e Zumbis ataca a mais famosa citação de Austen, mas na realidade é interessante: “é uma verdade universalmente reconhecida que um zumbi possuidor de cérebros, deve estar em busca de mais cérebros“.

Jennifer em um comentário apimentado, acrescenta: Um outra verdade universal (se referindo à Seth Grahame-Smith) : “um autor possuidor de um zumbi plagiador deve estar em busca de uma página no Facebook“.

***
O Austen Blog também vem discutindo este livro, publicou em 04 de fevereiro de 2009 um post com o seguinte título: Back off Zumbie Boy – Nos deixe em paz garoto Zumbi
A autora comenta que não se trata de uma questão de ‘nós contra eles’ (referend0-se às fãs de Jane versus leitores de Seth) e pontua que Seth não foi educado quando fez comentários ofensivos às Janeites e que os fãs de Austen também poderão ser audiência seu livro.

***
Por sua vez, Seth escreve uma mea culpa em seu perfil na página da amazon.com: To Janeites Everywhere… – Para as Janeites de todos os lugares

Seth menciona a crítica de Margareth C. Sullivan (Austen blog) e escreve uma espécie de pedido de desculpas dizendo que seus comentários aparentemente podem parecer anti-austen, mas que ele estava se referindo à pessoas que sem se darem ao trabalho de ler seu livro, já se levantaram contra ele.

Seth salienta que adora Austen! Segundo o autor, Austen escreveu comédias, era subversiva, facilmente irritável e ainda usava toucas!! Ótimas qualidades por sinal!

Seth diz que leu Orgulho e Preconceito 30 vezes enquanto escreveu Orgulho e Preconceito e Zumbis e que este foi o livro mais divertido de escrever.

Falando seriamente, Seth oferece sua mea culpa: promete não discriminar as Janeites. Assina como Garoto Zumbi
***
Concluindo, Margareth alerta os leitores do Austen blog que sorteará algumas cópias de Orgulho e Preconceito e Zumbis e que nós leitores devemos ficar atentos!
Como diria Shakespeare: All’s Well That Ends Well – Tudo bem quando termina bem!