Sorteio 10 anos do blog Jane Austen Brasil

Prezados leitores!

Há dez anos eu iniciei essa linda jornada que é escrever sobre Jane Austen ao publicar o primeiro post aqui no blog Jane Austen Brasil! Então, para comemorar o aniversário do blog, farei um mega sorteio – exclusivo aqui no blog – de dez livros de Jane Austen ou inspirados na autora e suas obras, publicados pelas editoras brasileiras!

Primeiramente eu gostaria de agradecer imensamente as editoras: Zahar, Rocco, Nemo, Gutemberg, Record, Martin Claret e Nova Fronteira – que gentilmente cederam as cópias desse sorteio! vejam que maravilha!

sorteio 10 anos.jpg

Vamos às regras!

  • Apenas uma participação por pessoa
  • Os livros serão sorteados utilizando o aplicativo random.org
  • O sorteado não poderá escolher o livro, a sequência de sorteio seguirá a imagem acima (da esquerda para direita)
  • Para participar você deverá comentar neste post com seu nome e e-mail. 
  • Perfis falsos serão descartados.
  • Não poderá haver repetição de perfis ou participação duplicada.
  • O período para participação começa hoje dia 23 de fevereiro de 2018 e vai até 3 de março de 2018.
  • A divulgação dos sorteados será no dia 04 de março.
  • Se um sorteado não responder e-mail com dados para envio do livro no prazo de uma semana (até o dia 10 de março). O livro voltará para sorteio.

 

 

Anúncios

Jane Austen notícias em blogs e sites

Como o tempo por aqui pelas bandas de Minas Gerais anda bem corrido, eu decidi publicar algumas notícias sobre Jane Austen na forma de sugestões de leitura:

Tradução do artigo original em espanhol (El País): Jane Austen casamento e dinheiro.  por Aloma Rodrígues.

Resenha Orgulho e Preconceito e HQ por Eu Astronauta.

001-6

Resenha de Jane Austen Roubou meu namorado por Anelise Besson.

Resultado do Sorteio Jane Austen roubou meu namorado

A felizarda do sorteio ‘Jane Austen Roubou Meu Namorado’ (Editora Rocco) foi a leitura Flávia Oliveira! Flávia, favor entrar em contato conosco!

Sorteio Jane Austen Roubou meu namorado

Jane Austen roubou meu namorado

Calma, não se trata de uma fofoca sobre uma conduta travessa de Jane Austen! Na verdade é um lançamento da Editora Rocco, com tradução de Dilma Machado. O texto escrito por cora Harrison traz uma história leve e divertida sobre a juventudade de Jane. O outro livro de Cora também foi publicado aqui no Brasil pela Editora Rocco: Eu fui a melhor amiga de Jane Austen.

19126233_10154611524463344_440102851_o

Eu já havia publicado, em 2011, sobre o lançamento em inglês: Jane Austen Stole my boyfriend, veja aqui. Leia uma resenha do livro, escrito por Luciana Darce neste link.

O livro já está à venda na Amazon. E ainda hoje, começarei o sorteio do Jane Austen Roubou Meu Namorado aqui mesmo no blog, fique ligado!!

Vídeo no Instagram da Jane Austen Brasil:

O clube de leitura de Jane Austen – lançamento Editora Rocco

Hoje recebi um e-mail da Editora Rocco me informando a respeito do lançamento de “O clube de leitura de Jane Austen” e fui convidada para fazer uma leitura em primeira mão da edição da Rocco! 🙂 Eu fico muito honrada pelo convite e agradeço também pela parceria da editora em outros lançamentos relacionados à Austen! Eu particularmente gostei mais da capa da Rocco do que com a imagem do filme.

O lançamento será em janeiro e abaixo está a release da editora.

Rocco lança em janeiro O clube de leitura de Jane Austen, de Karen Joy Foyler!

O-clube-de-leitura-de-Jane-Austen.jpg
Uma das autoras mais queridas em todo o mundo, cujo bicentenário de morte ocorre em 2017, Jane Austen (1775-1817) segue arrebanhando uma legião de fãs em pleno século XXI com romances nos quais retrata a sociedade inglesa de sua época com precisão e ironia, especialmente a condição da mulher, que tinha no casamento a única forma de existir e ascender socialmente. É claro que o cinema deu uma ajudinha na popularização da obra da escritora, haja vista o sucesso de adaptações como Orgulho e preconceito e Razão e sensibilidade para as telonas. Mas o que explica o fato de, em vários países, nos dias de hoje, milhares de adolescentes e jovens continuarem devorando as histórias da escritora setecentista protagonizadas por mocinhas em busca de um bom casamento?

Em O clube de leitura de Jane Austen, romance da norte-americana Karen Joy Fowler que a Rocco lança em janeiro, cinco mulheres e um homem se reúnem para debater as obras de Jane Austen na Califórnia do início dos anos 2000. O livro, que também virou um filme de sucesso, é uma comédia de costumes contemporânea que mostra que, dois séculos depois, os relacionamentos afetivos e sociais continuam ocupando o centro de nossas vidas. Ou seja: mudam os códigos que regem as
relações, mudam as regras de comportamento, mas na essência continuamos lidando com o sonho de encontrar o par perfeito (ou pelo menos de viver um amor “que seja infinito enquanto dure”) e de sermos aceitos – e com as consequências de nossas escolhas. O que talvez justifique a atualidade da autora inglesa.

No livro, ao longo dos seis meses em que o eclético grupo se encontra para ler e discutir os romances de Jane Austen, casamentos são testados, novos romances vêm à tona, arranjos sociais e afetivos se fazem e desfazem, e os personagens acabam se dando conta de que suas vivências não são assim tão diferentes das experimentadas por Emma ou outras de suas protagonistas. E aprendendo com elas.

clube-de-leitura

Com um olhar apurado e sensível para as fragilidades do comportamento humano e o quê de absurdo das convenções sociais, Karen Joy Fowler disseca as relações contemporâneas com acuidade, humor e ironia dignos da autora britânica. Uma homenagem a uma das maiores escritoras da língua inglesa e uma deliciosa comédia de costumes dos nossos tempos. Entre para O clube de leitura de Jane Austen, leitura perfeita para começar 2017.

Resultado do sorteio : Dias das mulheres

A sorteada foi o comentário de número 34: Luana Oliveira! Parabéns! 
Luana, você tem 5 dias úteis para entrar em contato conosco para enviar seus endereço de correspondência! 
Para aquelas que não foram contempladas, há um sorteio em vigência no blog, basta clicar aqui

Feliz dia Internacional das Mulheres – Sorteio!!

Hoje é o dias das mulheres e nada mais justo do que fazer um sorteio exclusivo para ELAS! 🙂
Antes de explicar os detalhes do sorteio de aniversário de 5 anos do blog e contar qual livro será sorteado, gostaria de dizer algumas palavras nesse dia tão especial. 
O dia das mulheres é um dia para lembrar de nós, mas receio que muitos confundem com apenas presentes, flores e bombons. Eu gostaria muito que o nosso papel enquanto mulheres, mães, esposas, namoradas, filhas, netas, amigas tivesse mais que uma simples data para celebração. Somos pessoas que possuem qualidades e defeitos, inteligência e sabedoria. Como dia uma querida professora, o dia das mulheres é todos os dias, não quero fazer parte de uma minoria, SOMOS 50% do PLANETA, e isso é fato! Felizes dias das mulheres para todas! 

Vamos aos detalhes do sorteio! O livro a ser sorteado é o Eu fui a melhor amiga de Jane Austen
Condições: só pode participar quem for do sexo feminino, curtir a fanpage da Jasbra e deixar o comentário aqui no blog entre os primeiros minutos de hoje, 08 de março, até 23:59! Boa sorte!! Após a divulgação do resultado, a sortuda terá 5 dias para entrar em contato com o blog!

Gazeta de Longbourn: Aprendi com Jane Austen

William Deresiewicz tinha 26 anos quando conheceu a mulher que mudaria sua vida. E, para ele, pouco importava que ela tivesse morrido quase 200 anos atrás. A verdade é que até aquela época, o então estudante de pós-graduação, habituado à leitura de James Joyce e Joseph Conrad, nunca havia desejado ler Jane Austen, o que veio a acontecer meio por acaso e até contra sua vontade. O resultado, porém, não poderia ter sido mais revolucionário. Os romances da escritora inglesa que viveu entre 1775 e 1817, como pontua Deresiewicz, iriam ensinar-lhe tudo o que viria a saber a respeito do que realmente é importante na vida.

‘Gente, mas que livro maravilhoso!’ – foram estas minhas exatas palavras ao terminar Aprendi com Jane Austen, pouco antes de voltar ao começo para reler minhas partes favoritas (todo ele).

Há um milhão de motivos para devorar este volume. O primeiro é que se trata de uma história real, de uma série de experiências de vida intimamente ligadas aos livros de Austen – de uma resposta, enfim, à importância e impacto que esta genial romancista consegue produzir em seus leitores mesmo duzentos anos após o início de suas publicações.

Em segundo lugar, ele foi escrito por um homem.

Não é preciso ir muito longe para perceber o quanto isso é importante. Nos fóruns de discussão da própria JASBRA – no facebook, a lista de emails, o próprio fórum – eles são uma minoria. Eu tenho o enorme prazer de ter no Clube do Livro aqui do Recife um deles (oi, Michel!) e ao menos dois grandes amigos meus já foram influenciados e admiram a obra dela (um deles viciou-se no filme de Orgulho e Preconceito e está tendo de sair de casa para reassistir, porque ninguém lá agüenta mais uma repetição XD).

Seja como for, um livro escrito por um membro do sexo masculino assumindo a importância que as obras de uma autora supostamente de romances água-com-açúcar (idéia errônea que muita gente ainda tem) – e não apenas academicamente, mas em sua vida e crescimento pessoal – é algo para se aplaudir. É um livro, enfim, para romper preconceitos e abrir caminhos.

Além de tudo isso, é um livrinho delicioso, direto ao ponto, cheio de humor – humor cáustico, humor leve, humor bem-humorado. Deresiewicz não tem medo de admitir nada, nem mesmo aquilo que pode depor contra ele – ele revela seus piores e melhores momentos enquanto passeia pelas obras de Austen.

Ao terminar Aprendi com Jane Austen, além das análises que ganhamos de cada um dos títulos apaixonantes de nossa autora preferida, bem como do sentimento de familiaridade, praticamente amizade que o tom íntimo de Deresiewicz nos oferece, fica um gosto de quero mais, de ler e reler de novo e de – porque não – começar a nossa própria história do que aprendemos ao mergulhar no mundo maravilhoso de Jane Austen.

* Lu Darce (JASBRA-PE) está pensando em escrever seu próprio roteiro de coisas que aprendeu com Jane Austen, entre as quais “não há nada como um bom livro para unir pessoas numa bela amizade”. Essas e outras conclusões você encontra em Coruja em Teto de Zinco Quente.

Gazeta de Longbourn apresenta: Eu fui a melhor amiga de Jane Austen

Jenny, órfã de pais, viveu boa parte da sua infância em um internato em Southampton, na companhia de Jane, um ambiente frio e miserável que, nas suas palavras, “cheirava à morte”. Com a coragem de Jenny para salvar a prima que estava muito doente, as duas conseguem se libertar e vão morar na casa da família Austen.

Entre aulas de etiqueta com uma prima francesa e alguns flertes – por ocasião do seu primeiro contato com garotos –, Jenny se apaixona por um marinheiro, e se vê diante de um dilema que representava um risco à sua reputação.

Com esse diário aberto ao público, as jovens fãs de Jane Austen terão a oportunidade de se encantar ainda mais com a personalidade marcante, a inteligência, a perspicácia e a divertida forma com que essa escritora lidava com as adversidades. Jenny Cooper conta com orgulho e carinho sobre como amadureceu com a amizade de Jane Austen – a menina esperta que sempre tem respostas para tudo –, suas incríveis histórias imaginadas a partir de pessoas do seu convívio e seus conselhos sempre confortantes.

Devorei esse livro em duas horas, sentada no meio da livraria. Volta e meia faço isso: começo a ler na loja, perco um pouco a noção do tempo, mas não chego a ficar maluca para carregá-lo comigo e enfiá-lo na estante que já não cabe mais de livro – até porque se eu comprasse tudo o que folheio estaria a essas alturas devendo até as calças.

Bem… primeiro ponto a se destacar nesse título: ele é um livro juvenil, então não vá atrás dele procurando o mesmo peso e profundidade dos livros da própria Austen. Do meu ponto de vista, ele é perfeito para começar o processo de lavagem cerebral das crianças: a narrativa tem romance, aventura, desenhos e Jane Austen. Se minhas sobrinhas fossem um pouco mais velhas, eu o teria comprado para elas. Vou ter de esperar alguns anos ainda, mas elas vão chegar lá…

Segundo ponto… os desenhos. Cara, como eu queria saber desenhar… Fiquei absolutamente encantada com as ilustrações que adornam a história, ou melhor, o diário – sim, porque estamos aqui diante de um diário, pertencente à prima de Jane, miss Jenny Cooper. Eles são tão simples e graciosos, despretensiosos mas ainda assim muito delicados, de tal forma que toda vez que me deparava com um, passava uns dez minutos sorrindo como boba.

Terceiro ponto: Jane Austen. Bem, como já disse antes, o livro é o diário de Jenny, prima e melhor amiga de Jane, compreendendo a época da adolescência de ambas. Jenny é uma menina tranqüila, doce, fazendo contraponto ao verdadeiro furacão como Jane é retratada, com uma vivacidade e imaginação sem igual. Ela é popular, senhora de si, irônica, e, ao mesmo tempo, companheira e confidente, uma amiga que todos gostaríamos de ter.

E bem que Jenny precisa de uma amiga. Entre o irmão e a cunhada avarentos doidos para se livrar dela (olá, Fanny Dashwood…) ao garboso comandante William da marinha por quem ela se apaixona nas circunstâncias mais improváveis, há sempre algo com que se preocupar: vestidos, assaltos a diligências, aquarelas, rapazes, fugas desesperadas no meio da noite…

Se fosse para encontrar um equivalente literário moderno, eu diria que Eu fui a melhor amiga de Jane Austen tem tudo a ver com O Diário da Princesa da Meg Cabot.

Enfim… é um livro divertido, que serve como uma boa introdução ao mundo de nossa escritora favorita – especialmente para os mais novos – com graça, diálogos rápidos, muitas surpresas e boas tiradas de humor.

* Lu Darce (JASBRA-PE) sentiu uma enorme vontade de chutar alguém quando se deparou com o personagem chamado Tom Chute. Sério, minha gente, Tom, chute? O que era para se pensar? Esse e outros atos de violência gratuita, você pode encontrar em Coruja em Teto de Zinco Quente.

A força da obra de Jane Austen – William

Entrevista publicada originalmente no site da Revista Marie Claire:

De janeiro para cá, triplicaram os blogs dedicados a Jane Austen na Inglaterra e nos Estados Unidos (somados, já passam de 1 milhão). A influência que a escritora inglesa nascida no século 18 exerce até hoje impressionou até mesmo o crítico literário, William Deresiewicz, que agora lança Aprendi com Jane Austen (Rocco, 256 págs.). O autor só pensava em James Joyce e Joseph Conrad quando um exemplar de Emma, de Austen, caiu em suas mãos. “O livro mudou a minha vida”, diz. 
Veja aqui os posts que já escrevi sobre o livro ‘Aprendi com Jane Austen‘. Aguardem, pois farei um sorteio deste livro aqui no blog!
Marie Claire – Qual foi a maior lição que você aprendeu com Jane Austen?
William Deresiewicz Que esse papo de amor à primeira vista é uma grande incoerência.
MC Como assim?
WD Também fui criado para um dia, sem mais nem menos, encontrar o amor da minha vida, minha alma gêmea. Mas, depois de ler Austen, acordei para o fato de que temos de nos preparar para o amor. Estar prontos para ele e conhecer muito bem a pessoa por quem vamos nos apaixonar. As heroínas de Austen casam pelo motivo certo: o amor. E este encontro também se dá no mundo das ideias.
MC A que você atribui essa redescoberta de Jane Austen?
WD Apesar de terem sido escritos por volta de 1810, os livros de Austen já falavam de uma mulher emancipada, que tinha força para atuar em todos os setores da sociedade. E que, como a mulher de hoje, também buscava o verdadeiro companheiro, queria ter encontros com as amigas, se vestir bem. Ela escreve sobre um mundo contemporâneo num cenário de séculos atrás.