Sexta-feira 13 – Dia do Beijo

Como hoje é o dia internacional do beijo, achei interessante publicar os beijos das principais adaptações de Emma! Como estamos no mês de leitura de discussão do livro, nada mais apropriado, não acham?

Emma 2009 – série de TV (Romola Garai e Jonny Lee Miller)

Emma 1996 – filme para a TV (Mark Strong e Kate Beckinsale)
Emma 1996 – filme para os cinemas (Gwyneth Paltrow e Jeremy Northam)
Na adaptação de para a TV de 1972 não há cena de beijo (Doran Godwin e  John Carson)

Anúncios

Emma BBC 2009

A partir de hoje (26/02) A partir do dia (28/02/10) o site da Livraria Cultura venderá um lançamento tão esperado da Editora Logon: Emma 2009 (mini-série em 4 capítulos). Enquanto o meu exemplar não chega, eu vou descrever alguns detalhes que o Depto. de Marketing da Logon me forneceu!
O DVD possui os seguintes extras: especial sobre as locações, figurinos, trilha sonora e uma entrevista com Sir Michael Gambon, ator que interpreta Mr. Woodhouse. A duração total é de aproximadamente 45 minutos e tem legendas em português. Ótima notícia, não é mesmo?
Acredito que o DVD da Logon será igual ao importado que tenho (com as mesmas características acima). Abaixo, coloco algumas fotos do meu exemplar made in England mesmo.

(o marcador de livros foi um presente da Carmem Resende, feito por sua mãe)
Só temos o que agradecer a Logon pela iniciativa de trazer os clássicos de Austen adaptados para Tv!

Emma 2009 – uma opinião masculina

Nossa discussão sobre A Abadia de Northanger está fervilhando! Descobrimos que temos dois rapazes basantes participativos no grupo: Hitoshi e Lucas! Ontem, eu descobri o blog do Guilherme Wasner e ele faz um longo comentário sobre a mini-série da BBC Emma (2009). Pedi autorização para publicar aqui no blog e prontamente o rapaz me autorizou. Obrigada Guilherme!

Com Emma, a BBC faz seu retorno ao universo das marcantes heroínas de Jane Austen. Esta é a segunda adaptação (a primeira é de 1972) do livro homônimo da escritora inglesa, realizada pela emissora. Esta nova produção tem Jim O’Hanlon na direção e Sandy Welch no roteiro. Welch é habituée das produções da BBC, sendo responsável pela ótima adaptação de North and South e da elogiada versão televisiva de Jane Eyre, entre várias outros trabalhos. Nesta minissérie em quatro episódios, acompanhamos a trajetória de Emma Woodhouse (Romola Garai), a inteligente, bela, rica – e um tanto arrogante – filha de Mr.Woodhouse. Emma adora meter o bedelho na vida alheia, principalmente quando o assunto é casamento. Ainda mais se for ela a promovê-lo. O problema é que a jovem cupido não é tão competente como imagina. De fato, Emma é mais míope do que pensa em relação aos sentimentos alheios – e também com relação aos seus próprios. Não demora muito para que suas atrapalhadas intervenções descambem para o desastre, para profundo desgosto do seu grande amigo e vizinho, Mr. Knightley (Jonny Lee Miller, neto do “M” original e ex de Angelina “quem mais eu posso adotar?” Jolie). Está armado o palco para inúmeros encontros e desencontros, bem ao gosto dos fãs de Austen.
Emma é uma adaptação bem sucedida e agradável de assistir. A fotografia é belíssima e a história flui com bom ritmo, prendendo a atenção do início ao fim. Todavia, não é livre de problemas. O mais relevante tem a ver com a interpretação um tanto afetada de Romola Garai, a atriz que dá vida a Emma. Romola é mais conhecida por sua participação no excelente Atonement (no Brasil, “Desejo e Reparação”, numa vã tentativa de associação com Jane Austen), entregando uma Briony (na fase adulta da personagem) remoída pela culpa. Mas enquanto em Atonement a atriz exibia uma performance contida – e por isso mesmo, muito boa – em Emma ela descamba para o overacting. Tudo é muito exagerado, a ponto de parecer que estamos assistindo a alguma produção infanto-juvenil da Disney. Ainda que Emma seja uma personagem jovem e expansiva, não justifica uma caracterização tão histriônica. Nesse ponto Keira Knightley foi mais bem-sucedida. Em Orgulho e Preconceito (a versão cinematográfica), ela transmite com sucesso a graça, a jovialidade e a autenticidade de Liz Bennet sem, no entanto, dar a impressão de que estamos assistindo, por engano, a alguma comédia juvenil.
Para sorte de Romola (o nome é uma versão feminina de “Romulus”, mostrando que não apenas os jogadores de futebol são amaldiçoados por pais sem noção), ela também esbanja encanto e simpatia, o que compensa suas limitações, até certo ponto. Também ajuda um pouquinho o fato da atriz ser muito bonita e carismática (que olhos expressivos, por sinal!). Faltou aqui uma presença mais atuante do diretor O’Hanlon, no sentido de controlar melhor os exageros da atriz, tarefa que o competente Joe Wright tirou de letra em Atonement. Isso demonstra o quanto um diretor é importante para se obter o melhor desempenho possível do cast à sua disposição. Falando nisso, o destaque do elenco vai para o sempre ótimo Michael Gambon, que interpreta o hipocondríaco e hiper-protetor pai de Emma, sem descambar na caricatura.
Com defeitos ou não, Emma é uma delícia de se assistir e, mais uma vez, lamento por nenhuma TV a cabo se interessar em transmitir o conteúdo da BBC One aqui no Brasil. Principalmente sua vasta e caprichada biblioteca de produções de época, que mantém vivos os clássicos da literatura inglesa, de uma forma atraente e acessível para o público. Não há sequer a opção de adquirir os DVDs por aqui. A única alternativa é importar a peso de ouro, ou se resignar a torrents de baixa qualidade. E o que temos em substituição? A Fazenda? É de chorar…

Detalhe: adivinhem qual é a série favorita de Guilherme? Orgulho e Preconceito é claro!!! Segundo o rapaz, foi uma das melhores coisas já produzidas para a TV… se não for a melhor!

Emma 2009 – algumas opiniões

Ontem eu terminei de assistir os 4 episódios de Emma 2009. Confesso que fiquei com o pé atrás em relação à escolha do J.L. Miller como Mr. Knightley, mas a partir do terceiro episódio creio que depois da dança no baile, ele me conquistou. Passei a encará-lo como Mr. Knightley, apesar da série ser muito corrida.

Segundo a Valéria, a série é boa, pecou pela omissão do “Brother and sister? No, indeed.” Em sua opinião “é o que dá o tom à interpretação do Mr. Knightley. Além disso, não colocaram Emma tentando falar o nome dele… A única que traz é a série de 1972“.
Mais adiante publicarei minhas impressõe sobre Emma, primeiro preciso fazer um screencap de uma cena que me encantou.
Quem nos visitou hoje também foi a Vic do Jane Austen World e deixou suas impressões sobre Emma 2009:
“The 3rd and 4th episodes made up for the first two episodes, which people liked less. This is a good adaptation, but the script uses very little of Jane Austen’s dialogue. I began to like Jonny Lee Miller in the 3rd episode, and I began to like Romola Garai in Episode 4. Michael Gambon is not given enough scenes and I found his Mr. Woodhouse too forceful. All and all, I give this series three stars out of four“.
“O terceiro e quarto episódios foram melhores que os dois primeiros (os quais as pessoas gostaram menos). Esta é uma boa adaptação, porém o script usa muito pouco dos diálogos de Jane Austen. Eu comecei a gostar de Jonny Lee Miller a partir do terceiro episódios, e comecei a gostar de Romola Garai no quarto episódio. Michael Gambon não participa de muitas cenas e achei que ele como Mr. Woodhouse foi muito forçado. Dou 3 estrelas em 4 para esta série.”
***
Para retribuir a visita de Vic, fui ao Jane Austen World e descobri que ela está muito feliz porque o blog é um sucesso e já está prestes a alcançar 1 milhão de visitas! Parabéns querida! Para festejar, Vic deciciu dar alguns presentinhos para quem deixar um recadinho por lá. Janeites brasileiras não se preocupem, ela promete enviar um presentinho (um livro) para os fãs de Austen de outros países. Lembre-se é apenas um livro para os fãs fora dos EUA, mas vale à pena tentar e prestigir a amiga Vic.