Emma 2009 – uma opinião masculina

Nossa discussão sobre A Abadia de Northanger está fervilhando! Descobrimos que temos dois rapazes basantes participativos no grupo: Hitoshi e Lucas! Ontem, eu descobri o blog do Guilherme Wasner e ele faz um longo comentário sobre a mini-série da BBC Emma (2009). Pedi autorização para publicar aqui no blog e prontamente o rapaz me autorizou. Obrigada Guilherme!

Com Emma, a BBC faz seu retorno ao universo das marcantes heroínas de Jane Austen. Esta é a segunda adaptação (a primeira é de 1972) do livro homônimo da escritora inglesa, realizada pela emissora. Esta nova produção tem Jim O’Hanlon na direção e Sandy Welch no roteiro. Welch é habituée das produções da BBC, sendo responsável pela ótima adaptação de North and South e da elogiada versão televisiva de Jane Eyre, entre várias outros trabalhos. Nesta minissérie em quatro episódios, acompanhamos a trajetória de Emma Woodhouse (Romola Garai), a inteligente, bela, rica – e um tanto arrogante – filha de Mr.Woodhouse. Emma adora meter o bedelho na vida alheia, principalmente quando o assunto é casamento. Ainda mais se for ela a promovê-lo. O problema é que a jovem cupido não é tão competente como imagina. De fato, Emma é mais míope do que pensa em relação aos sentimentos alheios – e também com relação aos seus próprios. Não demora muito para que suas atrapalhadas intervenções descambem para o desastre, para profundo desgosto do seu grande amigo e vizinho, Mr. Knightley (Jonny Lee Miller, neto do “M” original e ex de Angelina “quem mais eu posso adotar?” Jolie). Está armado o palco para inúmeros encontros e desencontros, bem ao gosto dos fãs de Austen.
Emma é uma adaptação bem sucedida e agradável de assistir. A fotografia é belíssima e a história flui com bom ritmo, prendendo a atenção do início ao fim. Todavia, não é livre de problemas. O mais relevante tem a ver com a interpretação um tanto afetada de Romola Garai, a atriz que dá vida a Emma. Romola é mais conhecida por sua participação no excelente Atonement (no Brasil, “Desejo e Reparação”, numa vã tentativa de associação com Jane Austen), entregando uma Briony (na fase adulta da personagem) remoída pela culpa. Mas enquanto em Atonement a atriz exibia uma performance contida – e por isso mesmo, muito boa – em Emma ela descamba para o overacting. Tudo é muito exagerado, a ponto de parecer que estamos assistindo a alguma produção infanto-juvenil da Disney. Ainda que Emma seja uma personagem jovem e expansiva, não justifica uma caracterização tão histriônica. Nesse ponto Keira Knightley foi mais bem-sucedida. Em Orgulho e Preconceito (a versão cinematográfica), ela transmite com sucesso a graça, a jovialidade e a autenticidade de Liz Bennet sem, no entanto, dar a impressão de que estamos assistindo, por engano, a alguma comédia juvenil.
Para sorte de Romola (o nome é uma versão feminina de “Romulus”, mostrando que não apenas os jogadores de futebol são amaldiçoados por pais sem noção), ela também esbanja encanto e simpatia, o que compensa suas limitações, até certo ponto. Também ajuda um pouquinho o fato da atriz ser muito bonita e carismática (que olhos expressivos, por sinal!). Faltou aqui uma presença mais atuante do diretor O’Hanlon, no sentido de controlar melhor os exageros da atriz, tarefa que o competente Joe Wright tirou de letra em Atonement. Isso demonstra o quanto um diretor é importante para se obter o melhor desempenho possível do cast à sua disposição. Falando nisso, o destaque do elenco vai para o sempre ótimo Michael Gambon, que interpreta o hipocondríaco e hiper-protetor pai de Emma, sem descambar na caricatura.
Com defeitos ou não, Emma é uma delícia de se assistir e, mais uma vez, lamento por nenhuma TV a cabo se interessar em transmitir o conteúdo da BBC One aqui no Brasil. Principalmente sua vasta e caprichada biblioteca de produções de época, que mantém vivos os clássicos da literatura inglesa, de uma forma atraente e acessível para o público. Não há sequer a opção de adquirir os DVDs por aqui. A única alternativa é importar a peso de ouro, ou se resignar a torrents de baixa qualidade. E o que temos em substituição? A Fazenda? É de chorar…

Detalhe: adivinhem qual é a série favorita de Guilherme? Orgulho e Preconceito é claro!!! Segundo o rapaz, foi uma das melhores coisas já produzidas para a TV… se não for a melhor!

Advertisements

2 thoughts on “Emma 2009 – uma opinião masculina

  1. Lucas Demingos 29/10/2010 / 2:11 PM

    Achei a atuação da Romola um tanto afetada, mas sempre imaginei a Emma daquela maneira. É uma afetação da época, não podemos esquecer que a Emma é bem Regencial, o par do Dandy. Elizabeth Bennet foi criada antes, apesar de revisada, pertence a um período levemente anterior, onde as pessoas ainda eram um tanto mais contidas que no período posterior.

    Gostar

Deixe uma Resposta

Please log in using one of these methods to post your comment:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s