Gazeta de Longbourn apresenta: Death Comes to Pemberley

“Neither man spoke of the past. Darcy could not rid himself of its power but Wickham lived for the moment, was sanguine about the future and reinvented the past to suit his audience, and Darcy could almost believe that, for the present, he had put the worst of it completely out of his mind.”

Este mês no Coruja (que está fazendo três anos de existência) vai ao ar um grande especial sobre o detetive mais famoso de todos os tempos, Mr. Sherlock Holmes. No espírito das comemorações, decidi ler para a coluna da Gazeta de Longbourn um romance policial – e não precisei esquentar muito a cabeça para me decidir em Death Comes to Pemberley, que chamou a atenção desde antes de ser lançado.

Ele também acabou entrando em minha cota de ‘livros a ler para o bicentenário de Orgulho e Preconceito’ e ‘audiobooks para ocupar o tempo no trânsito’. Três coelhos com uma só cajadada!

Antes de mais nada, vamos colocar as coisas nesses termos: se você está atrás de romance e ‘oh, Mr. Darcy’, Death Comes to Pemberley não é exatamente seu cupcake (hum… que fome…). Não há cenas de alcova, nem mesmo beijos apaixonados. Em compensação, há uma confortável familiaridade entre Lizzie e Darcy, tranqüila e rotineira. O final é um pouco mais doce e, pelo menos para mim, agradou bastante, bem no espírito da Austen.

Embora haja vários momentos em que acompanhamos Lizzie em seus esforços para trazer um pouco da paz roubada de Pemberley com a chegada de Lydia, é Darcy a voz dominante da história. A verdade, contudo, é que o livro não se concentra no casamento dos Darcy. O interesse aqui é entender o que aconteceu no bosque que cerca a propriedade e que culminou no assassinato de Mr. Denny, possivelmente pelas mãos de seu amigo, Mr. Wickham.

A narrativa abre às vésperas de um grande baile em Pemberley, em memória de Lady Anne, a mãe de Darcy. No meio da noite, uma carruagem quase desgovernada chega contendo uma Lydia histérica.

Wickham e Lydia tinham planejado para que ela pudesse comparecer ao baile dos Darcy a despeito do fato de que nenhum dos dois é particularmente bem-vindo. O cavalheiro em questão largaria a esposa na mansão no meio da noite – de forma que não houvesse outra alternativa para Lizzie além de receber a irmã – e depois seguiria com Denny para Londres, a fim de procurar sua própria diversão. No meio do caminho, contudo, Denny e Wickham discutem, deixam a carruagem para terminar a conversa, se escuta um tiro no meio da noite… e quando são encontrados de novo, Denny está morto e Wickham está aos prantos, completamente bêbado, dizendo que matou ‘seu único amigo’.

A cena é surreal para Darcy, que não apenas tem de lidar com o escândalo às portas de Pemberley, como participar da investigação – uma vez que é um dos magistrados locais. Contudo, a despeito de suas reservas para com Wickham, ele não acredita realmente que esse fosse capaz de assassinato – especialmente de um amigo tão próximo quanto Denny.

Wickham é preso – suas palavras à cena do crime servindo praticamente como uma confissão – e até seu julgamento final haverá outras desconfianças e segredos para desenterrar.

Death Comes to Pemberley foi particularmente fascinante para mim em seus debates sobre a questão da justiça. Descobri pela história que, à época, não existia corte de apelação e se ocorresse um erro judiciário, não haveria como entrar com um recurso. Tudo o que você podia fazer era esperar por um perdão real – e nada garante que este viria ou mesmo que chegaria a tempo de salvar um homem inocente.

Confesso, contudo, que esperava um pouco mais do mistério. Passei metade do livro torcendo o nariz e querendo dar um chute no Coronel Fitzwilliam, ao mesmo tempo em que torcia pela Georgiana e tentava entender o que tinha acontecido. Eu estava absolutamente inclinada a me surpreender com a revelação do final, uma vez que meus próprios talentos de detetive nem de longe tinham me levado a alguma conclusão, mas quando afinal disseram quem tinha sido o assassino, fiquei… não sei dizer exatamente. Desapontada? Descontente? Ligeiramente desconfiada?

Talvez o problema tenha sido exatamente esse: eu estava esperando demais desse livro, alguma reviravolta emocionante, totalmente extraordinária e quando ela aconteceu, veio temperada de enganos inocentes e soluções quase ingênuas.

Gostei do livro pelas cenas familiares, pela forma como é mostrada a intimidade dos Darcy e dos Bingley (porque Bingley me dá vontade de agir como a tia que aperta as bochechas?), como a Georgiana se reafirma em muitos momentos, superando aquela timidez quase doentia de seus tempos de adolescente e especialmente pela aparição de Mr. Bennet. Adorei que o Darcy demonstre confiança e até alívio com a presença do sogro no meio daquele pesadelo.

Não vai virar um favorito, mas é uma boa pedida.

* Lu Darce (JASBRA-PE) presentemente está fazendo bolhas com seu cachimbo e pensando nos misteriosos caminhos que o crime nos pode levar. Essas e outras divagações, vocês podem encontrar em Coruja em Teto de Zinco Quente.

Deixe uma Resposta

Please log in using one of these methods to post your comment:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s